Menu
Busca quinta, 21 de outubro de 2021

PMDB paga caro por apoiar Serra em MS

PMDB paga caro por apoiar Serra em MS

24 janeiro 2012 - 10h42Por Correio do Estado
Mesmo assim, Dilma abriu a temporada de demissão dos peemedebistas “tucanos” lotados no comando dos cargos estratégicos em Mato Grosso do Sul. Ela está dando o troco por não contar com o engajamento do PMDB na sua campanha eleitoral. A maior vítima não foi um peemedebista, mas um integrante do PPS, Flávio Brito, ungido pela cúpula do PMDB para comandar a Funasa (Fundação Nacional de Saúde). A Superintendência era o cargo mais disputado pelos partidos da base aliada de Dilma por dar expressão político-eleitoral devido aos grandes investimentos em obras.

Com a demissão de Brito, o PMDB perdeu o direito de comandar orçamento estimado para este ano de R$ 100 milhões da Funasa para investimentos. Só com o saneamento básico, o órgão dispõe de R$ 70 milhões do PAC II para gastar em Mato Grosso do Sul.

Instrumento eleitoral
A Funasa foi um instrumento importante para as ações políticas do deputado federal Geraldo Resende e até do governador André Puccinelli. Tanto é que Flávio Brito era um afilhado político de Geraldo.

Os dois passaram a ter estreito relacionamento político quando o deputado era filiado ao PPS. Ele saiu e deixou Brito no partido, mas não abandonou o “velho camarada”. Foi Geraldo quem conseguiu, ainda no governo Lula, a nomeação de Brito na Superintência Regional da Funasa. Brito foi por cinco anos chefe de gabinete do parlamentar.

O PT quer provar que tem força no governo Dilma e vai agir para enfrequecê-lo ainda mais com a demissão de outros peemedebistas.

A ideia do PT é ampliar o seu espaço nos cargos federais em Mato Grosso do Sul. O partido já tomou do PMDB a Superintendência Regional do Instituto Nacional de Colonização em Reforma Agrária (Incra). O atual dirigente é Celso Cestari. Ele substituiu Waldir Cipriano Nascimento, sob as bênçãos do comando petista do Estado. Cipriano foi demitido depois de ser preso pela Polícia Federal com a acusação de participaar de fraudes no processo de reforma agrária. Ele é irmão do presidente regional do PMDB, Esacheu Nascimento.

O PT pretende ainda continuar controlando o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) com o ex-deputado estadual Amarildo Cruz. “O nome dele já está na Casa Civil da Presidência para ser nomeado”, comentou o senador Delcídio do Amaral.

Outro cargo que ficou sob o comando do PT em Mato Grosso do Sul foi a Delegacia Federal do Ministério do Desenvolvimento Agrário. O novo delegado é o ex-deputado federal João Grandão.

Anízio Tiago, embora seja filiado ao PDT, assumiu a Superintendência da Delegacia Regional do Trabalho e Emprego em Mato Grosso do Sul com apoio integral do PT. “Anízio sempre foi um político identificado com o PT”, observou Delcídio. Na administração de José Orcírio dos Santos (PT), Tiago foi diretor-presidente da Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos Delegados (Agepan).

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO
Ministro fala na Câmara sobre novos institutos federais de educação
DOURADOS
Policiais civis apreendem 70kg de maconha, pistola e prendem suspeitos de tráfico
SAÚDE
Fiocruz aponta estabilidade em casos de síndrome respiratória grave
COSTA RICA
Homem furta restaurante e acaba preso pela Polícia Civil