Menu
Busca domingo, 16 de maio de 2021

Procon alerta,Comércio, bancos e telefônicas lideram reclamações de consumidores

12 setembro 2011 - 13h20
Comércio, bancos e telefônicas lideram reclamações de consumidores, diz diretor do Procon/DF

Agência Brasil

A maioria das reclamações que chegam ao Instituto de Defesa do Consumidor do Distrito Federal (Procon/DF) estão relacionadas ao comércio, a instituições do mercado financeiro e a companhias telefônicas. Um trabalho educativo será desenvolvido, com maior ênfase a partir de 2012, para conscientizar sobre os direitos das classes C, D e E, que "estão entrando com maior força no mercado consumidor", explicou o diretor-geral, Oswaldo Morais.

Os problemas enfrentados pelos consumidores “estão estatisticamente parecidos, mas no Distrito Federal há menos casos de desrespeito", disse Morais durante a comemoração dos 21 anos de criação do Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90). Para ele, o fato de o Procon poder arbitrar multas que vão de R$ 400 a R$ 6 milhões inibe um volume maior de irregularidades

Neste domingo (11), o Procon/DF montou barracas nas proximidades da Feira do Guará e distribuiu material educativo sobre as relações de consumo, mas o forte calor registrado na cidade reduziu a frequência do público para conversar com os técnicos.

O policial federal aposentado Mário Magno nunca usou os serviços de defesa do consumidor e disse que prefere arcar com pequenos prejuízos a perder tempo reclamando. Magno é gaúcho e está em Brasília há quatro anos. Citando casos de conhecidos que já batalharam por direitos nos órgãos de defesa do consumidor, Magno ressaltou que no Rio Grande do Sul é mais difícil conseguir êxito numa reclamação do que no DF.

A cabeleireira Isabel Santos disse que procurou o Procon para reclamar de um banco que devolveu um cheque dela por duas vezes, mesmo tendo fundos. Foi um caso de desorganização e burocracia, segundo ela, que acabou entrando na Justiça para pleitear indenização por perdas e por danos morais, já que não aceitou a retratação da instituição financeira.

Já o policial bombeiro Caetano de Souza teve problemas há alguns anos com uma companhia telefônica, que passou a cobrar a conta "de forma exagerada", fora do compromisso do contrato. Ele teve êxito na solução por meio do Procon, mas o processo levou quase 6 meses.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Covid-19: país tem 15,5 milhões de casos acumulados e 434,7 mil mortes
TECNOLOGIA
Começa a valer hoje nova política de privacidade do WhatsApp
MEIO AMBIENTE
Polícia Militar Ambiental de Bonito captura seriema com perna quebrada
AGEPEN
Por intermédio da Agepen, primeira certidão de nascimento digital de preso indígena é emitida em MS