terça, 23 de julho de 2024
EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES

Projeto obriga escolas públicas a realizar palestras sobre os riscos do aborto inseguro

20 novembro 2023 - 15h00Por Agência Câmara de Notícias

O Projeto de Lei 4005/23 obriga escolas públicas dos ensinos fundamental e médio a oferecerem aos alunos palestras educativas sobre os efeitos físicos, psicológicos, sociais e éticos do aborto. O texto está sendo analisado pela Câmara dos Deputados.

As palestras, de acordo com a proposta, deverão ser ministradas ao menos uma vez por ano, em datas definidas pelo Ministério da Educação, em conjunto com as secretarias de Educação de estados e municípios.

Os palestrantes poderão ser:

profissionais de saúde;

psicólogos técnicos no tema;

assistentes sociais; e

especialistas na área.

Autor do projeto, o deputado Jeferson Rodrigues (Republicanos-GO) cita dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) segundo os quais ocorreram 55 milhões de abortos no mundo entre 2010 e 2014, sendo 45% deles definidos como inseguros.  A entidade define como inseguro o aborto realizado por pessoas sem a habilidade necessária ou em ambiente impróprio para procedimentos médicos.

“Apesar dos avanços científicos capazes de proporcionar um abortamento seguro para a mulher, abortos inseguros continuam a ocorrer, causando aumento dos custos ao sistema de saúde, complicações e mortes maternas”, diz o autor.

Por fim, o projeto estabelece que as palestras tenham caráter informativo e educacional, sem nenhum tipo de posicionamento político, religioso ou ideológico.

Tramitação
A proposta será analisada, em caráter conclusivo, pelas comissões de Comissões de Educação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Início de operação da fábrica de Ribas do Rio Pardo consolida MS como vale da celulose

ECONOMIA

Mercado voluntário de carbono no Brasil recua em 2023

Dados são do Observatório de Bioeconomia da FGV

BRASIL

Conab recebe mais R$ 115 milhões para apoio à comercialização da agricultura familiar

DIREITOS HUMANOS

Cimi: políticas públicas ainda não frearam violência contra indígenas

Relatório cita fortalecimento e retomada de ações de fiscalização