Menu
Busca domingo, 01 de agosto de 2021

Reynaldo Gianecchini deixa hospital de SP

27 agosto 2011 - 07h30
Ator de 38 anos faz tratamento contra linfoma não-Hodgkin.
'Estou com o coração cheio de felicidade', disse na saída do hospital

G1

O ator Reynaldo Gianecchini, de 38 anos, deixou o Hospital Sírio-Libanês, na região central de São Paulo, por volta das 15h15 desta sexta-feira (26), após receber alta médica. Ele agradeceu o carinho dos fãs na saída do hospital. "Quero dizer que estou muito forte e essa minha força vem, em grande parte, desse carinho todo. As pessoas têm me mandado e-mails o tempo todo. Estou com o coração cheio de felicidade e absolutamente tocado por essa manifestação", afirmou.

Muitas pessoas aguardavam a saída do ator na porta do hospital e o aplaudiram quando ele entrou no carro. “Eu vou precisar agora ficar mais quietinho, vou precisar do silêncio, mas eu não estou me afastando de ninguém. Eu não tenho palavras para agradecer tudo”, completou o ator.

Gianecchini foi diagnosticado com linfoma não-Hodgkin de células T, um tipo mais raro de câncer que afeta os linfócitos (células de defesa). O início do tratamento foi adiado devido a um sangramento durante a introdução do cateter venoso central no sábado (20). Ele iniciou as sessões de quimioterapia na segunda-feira (22).

A presidente Dilma Rousseff também teve um linfoma não-Hodgkin. A doença foi diagnosticada em abril de 2009 e ela se submeteu a um tratamento no mesmo hospital. O tumor de Dilma foi retirado para ser avaliado e, de acordo com a equipe médica, exames posteriores detectaram que ele era o único foco da doença no organismo. Ela passou por tratamento de quimioterapia preventiva para evitar o surgimento de novos nódulos. Em setembro do mesmo ano, os médicos disseram que ela estava “livre de qualquer evidência de linfoma”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Aneel: bandeira tarifária de agosto se manterá vermelha
BR-262
Homem morre ao ficar preso entre as ferragens após carro cair em valeta de rodovia no MS
POLÍCIA
Drone, drogas e celulares são apreendidos pelo DOF momentos antes de chegarem aos internos da PED
SAÚDE
Covid longa: pacientes 'recuperados' podem ter problemas de raciocínio e memória, aponta pesquisa