Menu
Busca segunda, 10 de maio de 2021

Rússia suspende embargo a carnes de MT, RS e PR com condições

Rússia suspende embargo a carnes de MT, RS e PR com condições

28 novembro 2012 - 17h30
Uol

A Rússia suspendeu embargos às carnes bovina, suína e de frango de três Estados Brasileiros (Mato Grosso, Rio Grande do Sul e Paraná), informou o Ministério da Agricultura brasileiro nesta quarta-feira.

Mas ainda há condições para a efetivação dos embarques, segundo nota do ministério.

"A retomada das exportações dos três Estados ainda depende da emissão de um comunicado oficial da Rússia e da habilitação específica por estabelecimento exportador", afirmou o comunicado.

A Rússia é o principal destino para as carnes brasileiras.

"Apesar de termos conquistado mais espaço com a venda do produto a outros países, é inegável a importância do mercado russo. A perspectiva para o próximo ano é que o setor de carnes brasileiro bata recordes históricos de exportação com facilidade", disse o ministro Mendes Ribeiro no comunicado.

O embargo às importações das carnes de três Estados teve início em meados de junho do ano passado, afetando principalmente as vendas de carne de suínas e de frango, que tiveram forte queda das exportações.

Já a indústria de carne bovina manteve o nível de vendas para a Rússia exportando o produto oriundo de outros Estados.

Em nota divulgada antes de conferência com imprensa, o ministério informou que desde o início do embargo parcial já foram realizadas mais de 160 inspeções em estabelecimentos exportadores de produtos de origem animal do Brasil.

Além disso, acrescentou o ministério, foram enviados relatórios de auditoria e planos de ação, após mais de 10 encontros com autoridades russas para tentar resolver o impasse.

Os dois países decidiram se reunir novamente em janeiro de 2013 para continuar o debate e trabalhar pela equivalência de sistemas veterinários e fitossanitários.

O presidente da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs), Pedro de Camargo Neto, observou que a medida anunciada nesta quarta-feira terá pouco impacto para o segmento.

"Precisaríamos de novas unidades habilitadas, o que parece não irá ocorrer, pelo menos agora. Precisaríamos do Acordo de Equivalência Sanitária Brasil - Rússia aprovado", disse Camargo Neto por e-mail à Reuters.

Ele acrescentou ainda que os exportadores precisariam ainda de acordo sobre o novo Certificado Sanitário Internacional (CSI) para a Rússia, "onde ainda existem pendências importantes".

Deixe seu Comentário

Leia Também

DIA DO CAMPO
Infraestrutura amplia competitividade do agro que registra números positivos mesmo na pandemia
ECONOMIA
Banco Central abre consultas para saques e trocos via Pix
SAÚDE
Campanha de vacinação contra gripe termina 1ª fase com 8% imunizados
MAUS-TRATOS
PMA de Bonito autua em R$ 2 mil homem de 24 anos que carregou e matou cachorro do irmão por vingança