Menu
Busca terça, 26 de outubro de 2021

Tribunal mantém preso acusado de fazer roleta russa

Tribunal mantém preso acusado de fazer roleta russa

20 janeiro 2012 - 16h50
TJ MS

Edson da Silva dos Santos, de 22 anos, teve o pedido de liberdade negada pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul. Ele é acusado de integrar uma quadrilha que invadiu uma residência, em outubro do ano passado em Sidrolândia, mantendo a família refém e chegando a simular roleta russa. Os outros três integrantes do bando foram presos em uma boate, no município de Bonito, dias após o crime. Edson também é acusado de participar de um assalto a um posto de gasolina.


O relator do processo, desembargador Dorival Moreira dos Santos, considerou o réu “de alta periculosidade”, tendo usado arma de fogo para coibir as vítimas, além de ameaçar as vítimas de morte, que foram agredidas a chute .


No depoimento que prestaram a polícia os bandidos revelaram que Weber Novais ficou na caminhonete do outro lado da rua próximo a substação, Edson na entrada da chácara para cuidar a movimentação, George Gadiel Souza Ribeiro (Japa) e Claudemir Fernandes Gonçalves (Miro) ficaram escondidos no quintal para surpreender a vítima e o menor L.S.S, de 16 anos embaixo da mesa já dentro da cozinha, este menor é o mesmo que já fez um pacto macabro em Sidrolândia.


A quadrilha levou joias avaliadas em R$ 15 mil, R$ 1,2 mil em dinheiro, uma câmera fotográfica, um notbook, um Playstation, além de pertences pessoais.


A Polícia conseguiu recuperar parte do material roubado na casa do pai de George no Jóquei Clube, onde George e Weber estavam morando foram localizados o videogame, o computador e a filmadora.



Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
Presidente do TSE volta a defender regulamentação de redes sociais
OPERAÇÃO BOCAIÚVA
PMA prende e autua paranaense transportando filhotes de papagaios retirados ilegalmente dos ninhos
CONCURSO PÚBLICO
Governo abre processo seletivo para contratar analista previdenciário com salário de R$ 4,1 mil
JUSTIÇA
Corregedor pede ao STF compartilhamento de provas sobre fake news