Menu
Busca quinta, 16 de setembro de 2021

Assassinatos de mulheres no Estado estão acima da média nacional

26 setembro 2013 - 00h00
Estudo do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) apresentado ontem (25), aponta que no Brasil, de 2001 a 2011, ocorreram mais de 50 mil feminicídios (violência contra a mulher que leva a morte). No ranking dos Estados, Mato Grosso do Sul ficou na 14ª colocação, com média de 6,44 mortes para cada grupo de 100 mil mulheres, acima da média nacional (5,82).

Apesar do alto índice sul-mato-grossense, em Dourados, de acordo com o delegado Regional da Polícia Civil, Antônio Carlos Videira, a quantia de casos até setembro de 2012, continuam o mesmo neste ano, ou seja, três mulheres mortas.

No total do ano passado, foram cinco mortas, média de quase cinco para cada grupo de 100 mil mulheres, abaixo da brasileira.

“A Lei Maria da Penha tem funcionado na cidade e permitiu a repressão maior dos autores dos crimes de violência doméstica. E não só a repressão, mas medidas protetivas que deixaram as mulheres mais seguras, isto preveniu ocorrências de crimes”, explicou o delegado.
Segundo Videira, no Brasil o aumento é mais complexo de ser explicado, pois depende de região para região, das políticas públicas de cada Estado, culturas, investimentos em segurança pública, apesar de a Lei ser válida em todo o país.

Em fevereiro deste ano, uma indígena foi encontrada morta em sua residência na aldeia Bororó. A polícia suspeitava que a mulher fosse vítima de um homicídio e o autor do crime teria usou um machado para golpeá-la. O principal suspeito era o genro.

No mês de julho, uma mulher, moradora no estado de São Paulo, foi morta com três tiros durante um assalto, na Rua Toshinobu Katayama, em Dourados. Os bandidos tentaram sequestrar as irmãs da vítima, ela viu a ação, tentou ajudá-las, mas um dos criminosos atirou nela três vezes, acertando-a no nariz, na perna e nas costas.

Um caso bastante lembrado foi o da manicure, Jamille Letícia de Souza Santos, 29 anos, que morreu no final de 2011, após ser agredida por golpes de faca no rosto, na mão direita e no peito. O acusado foi seu ex-marido, Walder Arantes da Rosa, que foi condenado e poderá ficar na prisão até 2017.

Lei Maria da Penha

A média nacional de mortes reduziu pouco após a criação da Lei Maria da Penha, “as taxas de mortalidade por 100 mil mulheres foram 5,28 no período 2001-2006 (antes) e 5,22 em 2007-2011 (depois)”, revela o estudo.

-Dourados News

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Governo encaminha ao Congresso plano de redução de benefícios fiscais
TURISMO
Fundtur dobra o valor para eventos geradores de fluxo turístico em todo o Mato Grosso do Sul
PONTA PORÃ
PM apreende mais de meia tonelada de maconha, um veículo e prende dois homens
LEGISLATIVO DE MS
Pautadas cinco propostas para votação na Ordem do Dia desta quinta-feira