Menu
Busca segunda, 10 de maio de 2021

Crescimento do país está muito abaixo do esperado entre emergentes, diz professor

31 dezembro 2012 - 00h00Por Agencia Brasil
A economia brasileira deve fechar o ano com crescimento próximo a 1%. Analistas do mercado financeiro e técnicos do Banco Central (BC) fazem previsões parecidas. Na semana passada, informações do Relatório Trimestral de Inflação indicaram redução na projeção dos técnicos de 1,6% para 1%.

O resultado, se confirmado, estará bem abaixo dos 4,5% estimados para 2012. Segundo André Nassif, professor de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV) e da Universidade Federal Fluminense (UFF), mesmo levando em consideração a crise mundial, o crescimento brasileiro está muito abaixo do esperado entre os países emergentes.

“O governo editou medida tentando estimular o consumo. Depois, medidas para estimular os investimentos, com políticas que contemplam o lado da oferta, com queda de juros. Só que essas políticas já deixaram de fazer efeito”, disse.

Para ele, o modelo adotado pelo governo deu certo anteriormente, mas se esgotou e, mesmo com todos os programas, a demanda só deverá crescer 1%. Nassif acredita que não é estimulando o consumo, nem a oferta, que o problema será resolvido. O professor destaca que os empresários só investem quando têm garantia de que haverá demanda. E, no momento, o único que pode induzir o aumento da demanda é o próprio governo, que precisa aumentar os investimentos públicos.

“À medida que o governo gasta diretamente em infraestrutura, amplia a demanda por equipamentos, gera empregos na construção civil, aumenta a demanda por bens intermediários e estimula o investimento privado, que viria a reboque.”, defende

Ele disse ainda que, mesmo com todos os esforços do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), os investimentos públicos correspondem a 1% do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de bens e serviços produzidos no país.

Para ele, o ideal seria ampliar essa taxa para 2%, mesmo que o superávit primário – a economia que o país faz para pagar suas dívidas - tenha de ser reduzido. É preciso que o setor privado tenha garantia de que haverá demanda que permita ampliar a capacidade produtiva. O único agente que pode preencher esse vácuo é o governo.

Se o PIB de 2012 fechasse em 4,5%, como previa o Ministério da Fazenda e levando em considerações projeções do início do ano, o crescimento médio do país poderia chegar a 4,8 %. O cálculo leva em consideração as projeções inicias de crescimento de 3,2% (2011), 4,5% (2012), 5,5% (2013) e 6% (2014). Como o Brasil registrou crescimento de 2,7% em 2011 e deve crescer 1% em 2012, a média do crescimento cairia para 3,8%.

No 19 deste mês, porém, o próprio ministro da Fazenda, Guido Mantega, reduziu a projeção de crescimento do PIB, em 2013 para 4%. Sendo assim, o crescimento médio estimado ficaria em 3,42%, resultado bem abaixo dos 4,8% ou 1,38 ponto percentual inferior ao projetados no início do ano.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DIA DO CAMPO
Infraestrutura amplia competitividade do agro que registra números positivos mesmo na pandemia
ECONOMIA
Banco Central abre consultas para saques e trocos via Pix
SAÚDE
Campanha de vacinação contra gripe termina 1ª fase com 8% imunizados
MAUS-TRATOS
PMA de Bonito autua em R$ 2 mil homem de 24 anos que carregou e matou cachorro do irmão por vingança