Menu
Busca terça, 13 de abril de 2021

Esposa e ex-deputado federal ficaram reféns de índios por 15 horas

Esposa e ex-deputado federal ficaram reféns de índios por 15 horas

01 dezembro 2014 - 08h00Por CG News
O ex-deputado federal e produtor rural, Pedro Pedrossian Filho, afirma ter ficado refém por cerca de 15 horas por índios que invadiram a Fazenda Retiro Maria do Carmo, no distrito de Taunay, em Aquidauana.


Conforme os relatos da esposa de Pedrossian, Ana Pedrossian, por volta das 6h de hoje (28), eles foram até a fazenda, que fica a 30 quilômetros de sua propriedade, quando foram abordados por um grupo indígena na entrada da fazenda.

O produtor e a esposa, segundo ela, não desceram do carro e fugiram para a sede da fazenda, onde estava a dona da propriedade e seu marido. De acordo com o relato, os índios atiraram contra o carro, atingindo a porta lateral.Os indígenas fecharam um cerco envolta da casa e não deixaram eles saírem, ainda conforme a esposa de Pedrossian.

“Eles disseram que era a vida dela ou a propriedade”, afirmou Ana. Após horas, diz, resolveu entregar a fazenda "para evitar maiores conflitos". Com isso, a família chamou a Polícia Militar, que os escoltou até a fazenda.

Os indígenas, afirma, deram um prazo de 24 horas para os donos da Fazenda Retiro Maria do Carmo saíssem do local. “Nós víamos embora, mas eles continuaram no local para arrumar as coisas”, revelou.

Ana ainda ressaltou que desde às 6h a Polícia Federal foi informada da invasão, mas não atendeu a ocorrência. “Um grupo de policiais militares fizeram o trabalho de mediadores”, afirmou.

Ocupação - Desde as 4h de hoje cerca de 150 indígenas Terena de sete aldeias ocupam área da fazenda Maria do Carmo, no distrito de Taunay. Um dos indígenas que integra o grupo Francisco Thiago, 60 anos, diz que a situação é inversa. Ele afirma que os índios estão apenas com arcos e flechas e homens estranhos surgiram em três caminhonetes atirando.

Para resolver a situação, os índios pedem a presença de autoridades. Eles garantem que a ocupação é pacífica e pedem para conversar com a proprietária da fazenda, que está em Campo Grande. Com medo, Salma disse que não pretende ir até o local e pede a presença da polícia para reprimir a ocupação.

Segundo Francisco, está na fazenda o genro da proprietária, com o qual os índios não tem expectativa de conversar. “Nós não queremos brigar, nem queremos gado, nós só queremos a nossa terra e vamos ficar aqui nela. Pedimos que venha a Funai (Fundação Nacional do Índio) e polícia para apaziguar, porque está tenso e pelo que vimos já receberam nós a bala aqui”, disse o indígena, ao contar que o grupo está a dois quilômetros da sede da fazenda.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DIREITOS HUMANOS
Fórum discute desafios à garantia de direitos da pessoa idosa
MEIO AMBIENTE
Rio Dourados tem níveis de agrotóxico abaixo do previsto em legislação, aponta pesquisa
POLÍTICA
Comissão da Câmara discute assistência aos "órfãos da covid-19"
AQUIDAUANA
PMA autua dono de chácara por construir dois tanques de piscicultura degradando as matas ciliares