Menu
Busca terça, 20 de abril de 2021

Homens denunciam trabalho escravo em zona rural de município

Homens denunciam trabalho escravo em zona rural de município

21 janeiro 2015 - 09h15
*Campo Grande News


Três trabalhadores registraram boletim de ocorrência nesta segunda-feira (19) para denunciar que estavam sendo submetidos a condições de trabalho escravo na zona rural de Coxim. Lúcio Ferreira, 55 anos, Cassimiro Caetano da Silva, 57, e Vagner Gomes da Silva, 34, relataram à Polícia Civil que além de não ser cumprido o que havia sido combinado, eles chegaram a dormir no chão de um barracão aberto.


De acordo com registro policial, Lúcio e Cassimiro foram contratados para trabalhar no corte e remoção de árvores às margens da BR-163 e Vagner foi contratado na função de motorista. O trio receberia como pagamento R$ 2,2 mil. Como Lúcio tinha uma motosserra iria receber R$ 300 a mais pelo aluguel do equipamento.

No dia 5 de janeiro, Lúcio e Cassimiro saíram de Bandeirantes e foram até a cidade de Sonora para começar o serviço. No primeiro dia, eles dormiram em um hotel na cidade e receberam alimentação apenas na hora do almoço. Do dia 6 para o dia 7 dormiram no chão de um barracão aberto e no dia seguinte seguiram para Coxim, onde começaram a trabalhar. Além da alimentação ser de baixa qualidade, os trabalhadores continuaram a dormir em um barracão aberto, que funcionava a funilaria da cidade.

Ainda conforme boletim de ocorrência, no dia 15, os dois foram mandados por Helena a fazer a limpeza de bueiros no trecho Sonora/Coxim, serviço que não havia sido combinado com o empregador. No dia seguinte, quando Heleno pediu que fosse feita novamente a limpeza dos bueiros, os dois negaram.

Heleno, então, disse que os dois poderiam ir embora, só que não receberiam nada, porque não terminaram de cumprir todo o serviço. Os trabalhadores tentaram falar com o responsável pelo serviços, mas não foram atendidos.

Já Vagner, que foi contratado para ser motorista, ficou trabalhando como cozinheiro e ajudante geral, pois no local não havia veículo. Ao questionar Heleno sobre desvio de função, o funcionário foi informado que se quisesse poderia pedir a contas como os outros haviam feito. O caso foi registrado como redução a condição análoga a de escravo e será investigado na 1ª Delegacia de Polícia Civil da cidade.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORONAVÍRUS
MS participa de consórcio para compra de 28 milhões de doses de vacina contra Covid-19
INTERNACIONAL
Vacina russa Sputnik V tem eficácia de 97,6% em estudo no mundo real
OPERAÇÃO HÓRUS
Veículo com mais de uma tonelada de maconha foi apreendido pelo DOF
AQUIDAUANA
Suspeito de tráfico de drogas é preso por policiais civis