Menu
Busca terça, 27 de julho de 2021

PM que atirou em tenente tem prisão decretada após ameaçar testemunhas

19 outubro 2011 - 16h30
Coxim Agora

A juíza de Direito de Cassilândia, Luciane Buriasco Isquerdo, decretou a prisão preventiva, ontem (17), do soldado da Polícia Militar Adriano Paulo da Silva, de 34 anos. Ele é acusado de ter matado o comandante da PM, tenente Mário José Eufrásio da Silva, 49 anos, no último sábado, em Cassilândia.

Para converter a prisão em flagrante em prisão preventiva, a juíza afirmou que o soldado ameaçou uma testemunha logo após o crime e que poderia ameaçar outras. “Pelo risco de ameaça às testemunhas, tendo havido ameaça no curso dos fatos a uma delas e tudo demonstrando por ora que o acusado não se submete a trâmites legais pela maneira que se comportou, donde se vê que pode vir a ameaçar testemunhas”, afirmou durante as justificativas.

Ainda de acordo com a juíza, o policial tem antecedente e pode ser considerado perigoso. “Ostenta, ainda, antecedentes, estando patente sua periculosidade”, relatou.

O soldado “Paulão”, como é conhecido, foi transferido para o presídio de trânsito de Campo Grande e passará, também, por uma auditoria militar, já que tanto vítima como autor eram militares.

Esposa - Hoje, o delegado responsável pelas investigações, Rodrigo de Freitas, ouviu a esposa de Paulão. De acordo com ele, no momento do crime, ela estava no quartel da Polícia, para onde foi após ser agredida pelo marido, e não pode dar detalhes sobre a discussão entre tenente e soldado.

O caso - Eufrásio morreu no sábado, após ser chamado para resolver uma ocorrência na casa de Adriano. O comandante foi atingido por 3 tiros. Da arma do suspeito partiram duas balas calibre 38, que atingiram o abdome de Eufrásio.

Da cabeça, foi retirada munição calibre .40, a mesma utilizada pelos soldados Steffaner Beitiol de Freitas e José Antônio Ferreira carapiá, que no dia do crime estavam em serviço e também foram até a casa de Paulão, depois que a esposa dele procurou o quartel da PM para denunciar violência doméstica.

Em depoimento, um dos soldados admitiu ter disparado, na tentativa de imobilizar Paulão, que atirava contra o comandante. “Eles estavam muito chocados e, inclusive, choraram durante o depoimento”, conta o delegado.

Na casa foi encontrada uma munição da pistola do Polícia, mas alega que não se recorda do segundo disparo que pode ter atingido a cabeça do comandante.

O delegado já ouviu os quatro PMs que estavam na casa no momento do crime. Os soldados que atenderam primeiro a ocorrência disseram que Paulão estava alterado e aparentando embriaguez. Ele não autorizou exame de alcoolemia e preferiu ficar calado, sem prestar qualquer esclarecimento.

Outro que já prestou depoimento foi o sargento chamado pelo próprio Paulão para ir até a residência do casal, para cuidar do filho de 1 ano, já que é amigo da família. O sargento e o comandante estavam de férias, por isso ambos não tinham armas.

Os exames de balística serão feitos em Campo Grande e os resultados devem ficar prontos em uma semana.

A ACS (Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar de Mato Grosso do Sul) divulgou nota de pesar pelo falecimento do tenente Eufrásio.

Policial militar desde 1983, o comandante – natural de Uberlândia (MG), era casado, tinha três filhos e três netos. Ele foi transferido há menos de 40 dias para Cassilândia, no dia 9 de setembro. Antes, trabalhava em Chapadão do Sul.

“É com profunda dor que lamentamos esse momento trágico não só para a instituição, mas para toda a sociedade sul-mato-grossense. Rogamos para que Deus conforte seus entes queridos”, lamentou Edmar Soares, presidente da ACS.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MEIO AMBIENTE
Monitoramento realizado pelo Imasul aponta boa qualidade das águas subterrâneas de MS
COTAÇÃO
Dólar fecha em queda de 0,71%, abaixo de R$ 5,20
SAÚDE
Saúde recomenda Pfizer a gestantes que tomaram 1ª dose da AstraZeneca
PONTA PORÃ
Polícia Militar apreende caminhão por adulteração de sinal identificador de veículo