Menu
Busca sábado, 27 de novembro de 2021
YARIS SD DOURAMOTORS - NOVEMBRO 2021
RIO NEGRO

PMA e PM prendem e autuam caçadores em R$ 30 mil e apreendem três animais silvestres abatidos

20 outubro 2021 - 16h30Por PM-MS

Policiais Militares Ambientais de Rio Negro foram acionados pela Polícia Militar daquela cidade hoje (20) pela madrugada,  para proceder a autuação administrativa (multa ambiental), a duas pessoas que estavam em posse de três carcaças de jacaré-de-papo-amarelo (Caiman latirostris).

A equipe da Polícia Militar realizava o patrulhamento em uma estrada na entrada da cidade, quando abordou uma caminhonete Toyota Hilux com dois ocupantes. A equipe realizou vistoria e encontrou no veículo dois rifles calibre 22, carregados com 22 munições intactas sem documentação, no banco traseiro do carro e, acionaram a PMA e três filhotes de jacarés abatidos. As armas, munições e jacarés foram apreendidos.

Os infratores, ambos com 38 anos, residentes em Campo Grande, assumiram terem abatidos os amimais, a cerca de 90 km da cidade, em uma lagoa à margem da estrada que trafegavam. Eles receberam voz de prisão e foram conduzidos pela equipe da Polícia Militar, juntamente com o material apreendido, à delegacia de Polícia Civil Rio Negro, onde eles foram autuados em flagrante por crime de posse ilegal de munições e armas e por caça dos animais. A pena para o crime ambiental de caça é de seis meses a um ano de prisão. O crime de posse ilegal de arma, a pena é de um a três anos de detenção.

A equipe da Polícia Militar acionou, no momento da apreensão, os Policiais Militares Ambientais de Rio Negro, que foram ao local e autuaram administrativamente os infratores em R$ 15.000,00 cada um, pela caça ilegal dos animais pela PMA. A multa será julgada pelo Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul).

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Saúde avalia inclusão de remédios para tratamento da Hemofilia A
LEGISLATIVO DE MS
Neno Razuk solicita reforma na lavanderia comunitária em Dourados
POLÍTICA
Presidente diz que Brasil e o mundo não aguentam um novo lockdown
ECONOMIA
"Estamos perto de ver o topo da inflação", diz presidente do BC