Menu
Busca terça, 11 de maio de 2021

Professor de matemática suspeito de latrocínio é preso antes de assumir cargo

Professor de matemática suspeito de latrocínio é preso antes de assumir cargo em escola no Sul

29 novembro 2012 - 17h50
Uol

Um professor de matemática, com mestrado, proficiência em língua inglesa e que seria efetivado nessa quarta-feira (28) em uma escola estadual gaúcha, foi preso suspeito de latrocínio. Luiz Renato Godinho, 30 anos, foi detido em Osório (95 km de Porto Alegre), no litoral norte gaúcho, quando se preparava para se apresentar à instituição de ensino, onde daria aula para crianças de 12 a 15 anos.

Conforme investigações da Polícia Civil de Cachoeira do Sul, na região central do Rio Grande do Sul, ele foi o responsável por agredir fatalmente o paulista Carlos Araújo da Silva, 22, no final do último mês de setembro, naquela cidade.

Silva morava havia pouco tempo na região, chegado de São Paulo, devido a seu emprego em uma empresa de eletricidade. Na noite de 23 de setembro, depois de sair de uma boate sozinho, ele se perdeu nas ruas da cidade. Andou, até encontrar um grupo de pessoas em uma praça, para quem pediu orientações.

Godinho, querendo levar vantagem sobre Silva, que estaria embriagado, tentou lhe furtar. Um travesti interveio e indicou o caminho de casa ao paulista. Entretanto, o suspeito foi atrás da vítima, a agrediu e tomou seu dinheiro e objetos pessoais para si - um boné, um relógio e uma corrente dourada.

Mãos sujas
Conforme testemunhos colhidos pela inspetora Simone Schuster, da 1ª Delegacia de Polícia de Cachoeira do Sul, Godinho voltou à praça com as mãos sujas de sangue. "Ele disse para seus amigos que tinha 'posto para dormir' a vítima, e, inclusive, lavou suas mãos sujas de sangue com a cachaça que havia comprado com o dinheiro de Silva".

Godinho, que estava em Cachoeira em visita ao pai, deixou a cidade antes que as investigações chegassem ao seu nome. No dia 31 de outubro, Silva morreu no hospital. A partir de então, a equipe chefiada pelo delegado Celso dos Santos Tavares, que preside o inquérito, começou a receber novas informações que levaram à suposta autoria do crime.

A Justiça aceitou o pedido de prisão preventiva, e Godinho foi preso em Osório, onde mora há quatro anos. Informalmente a policiais no momento de sua prisão, ele admitiu ter agredido Silva. Entretanto, se manteve em silêncio na delegacia.

Mestrado
O suspeito, que possui mestrado pela Ufrgs (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), está preso em Pelotas, no sul do Estado, onde mora parte de sua família. A Coordenadoria Regional de Educação, em Osório, confirmou que Godinho assumiria turmas para lecional matemática nessa quarta-feira.

O professor já possui passagem pela polícia. Ele já havia sido preso e condenado por tráfico de drogas. Porém, como cumpriu sua pena, isso não foi impeditivo para ser aprovado no concurso do magistério gaúcho.

Em Cachoeira do Sul - com cerca de 84 mil habitantes -, o caso chocou a cidade, principalmente pelo fato de a avó de Silva, uma mulher com mais de 70 anos, ter viajado sozinha de São Paulo para acompanhar o neto internado. Durante os 38 dias que esteve no Sul, sem dinheiro, ela recebeu auxílio dos moradores da cidade.

Conforme o delegado Tavares, Godinho será indiciado por latrocínio. O inquérito tem dez dias para ser entregue à Justiça. Até a conclusão do texto desta reportagem, no final da tarde desta quinta, a defesa do suspeito não havia sido encontrada para comentar os fatos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DIA DO CAMPO
Infraestrutura amplia competitividade do agro que registra números positivos mesmo na pandemia
ECONOMIA
Banco Central abre consultas para saques e trocos via Pix
SAÚDE
Campanha de vacinação contra gripe termina 1ª fase com 8% imunizados
MAUS-TRATOS
PMA de Bonito autua em R$ 2 mil homem de 24 anos que carregou e matou cachorro do irmão por vingança