Menu
Busca sábado, 15 de maio de 2021

1ª Câmara do TCE/MS impugna jurisdicionados em mais de R$ 130 mil

1ª Câmara do TCE/MS impugna jurisdicionados em mais de R$ 130 mil

05 dezembro 2012 - 14h50
Divulgação (TP)

Na penúltima sessão ordinária da 1ª Câmara do Tribunal de Contas de Mato Grosso do Sul (TCE/MS), presidida pela conselheira Marisa Serrano, e com a presença dos conselheiros José Ricardo Pereira Cabral e Iran Coelho, juntamente com o procurador adjunto do MPC/MS, José Antonio de Oliveira Martins Júnior, 44 processos foram analisados, sendo 22 considerados irregulares. As multas aplicadas aos ordenadores de despesas somam 1.220 Uferms, equivalente a R$ 21.252,40. Do total de contas rejeitadas, estão 03 processos nos quais constam impugnações que somadas totalizam R$ 136.358,58.

O conselheiro Iran Coelho analisou 10 processos, sendo uma inspeção ordinária, cinco convênios, três contratos administrativos e uma ata de registro de preços. Desse total, 09 processos receberam parecer favorável e foram aprovados pelo conselheiro, dentre eles a inspeção ordinária realizada nas contas do Fundo de Apoio à Comunidade de Campo Grande (processo nº 101841/2011), e o contrato administrativo celebrado entre a Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul e a empresa Macro Dental Produtos Odontológicos LTDA-ME, conforme processo 6840/2010.

Dentre as prestações de contas julgadas irregulares pelo conselheiro Iran Coelho, está o processo de nº 6393/2010 referente ao contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Costa Rica e a empresa Petróleo Querência LTDA., no valor de R$ 354.700,00, para a aquisição de óleo diesel, no prazo de vigência previsto de 12 meses. De acordo com o voto do conselheiro relator, foram consideradas irregulares tanto a formalização contratual, por discrepar dos limites estabelecidos no artigo 62 e por reflexo infringir o artigo 61, ambos da lei federal nº 8666/93, quanto a execução financeira do contrato em razão do vício derivado da formalização dos referidos atos administrativos.


O conselheiro José Ricardo Pereira Cabral julgou um total de 18 prestações de contas, e manifestou parecer favorável a 08 processos, dentre eles a inspeção ordinária realizada no Fundo Municipal de Ladário, referente ao exercício de 2010, conforme processo de nº 67154/2011.

Já o processo de nº 4497/2008, que trata do convênio 33/2005, pactuado entre a Prefeitura Municipal de Aparecida do Taboado e a Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Aparecida do Taboado, foi julgado irregular e rejeitado. De acordo com o voto do conselheiro José Ricardo, os Termos aditivos de nº 01/2006, nº 02/2007, nº 03/2008 e nº 04/2008 apresentam diversas irregularidades tais como: divergências de valores, ausências de documentos, pagamentos realizados após a data de vencimento, ausência de recibos de pagamentos, dentre outros. Em razão dessas irregularidades foi impugnado o montante de R$ 101.825,54, que deverão ser devolvidos pelo ex-prefeito de Aparecida do Taboado, Djalma Lucas Furquim, aos cofres públicos municipais devidamente atualizados. Pelos atos praticados em afronta as normas norteadoras da administração pública, o ex-gestor também recebeu multa de 200 Uferms, equivalente a R$ 3.484,00.

A conselheira Marisa Serrano analisou 16 processos durante a sessão, e manifestou parecer favorável ao processo de nº 6018/2006, que trata do contrato administrativo pactuado entre a Prefeitura Municipal de Dourados e a empresa Nota Control Tecnologia LTDA. Foram aprovadas com ressalva, as prestações de contas referentes a contratos administrativos celebrados pelas Prefeituras de Chapadão do Sul (processo de nº 8977/2010); Prefeitura Municipal de Selvíria (nº 4930/2010); Prefeitura de Três Lagoas ( nº 67044/2011); Prefeitura Municipal de Taquarussu (nº 6012/2008); e Prefeitura de Costa Rica (processo nº 60037/2011).

Dentre as prestações de contas que receberam parecer contrário à aprovação, está o processo de nº 1474/2010, que trata de um contrato administrativo da Prefeitura de Selvíria com a empresa José Visani & CIA LTDA, no valor de R$ 860.000,00. De acordo com o relatório voto da conselheira, no balanço financeiro apresentado existe uma diferença de R$ 4.560,26 que foi paga e não comprovada pelo ordenador de despesas. O valor correspondente à diferença foi impugnado, sendo o prefeito de Selvíria, José Dodô da Rocha, responsabilizado pelas irregularidades. Ele recebeu multa de 150 Uferms, correspondente a R$ 2.613,00, e deverá ressarcir os cofres públicos do Município do valor total impugnado (R$ 4.560,26), devidamente atualizado dentro do prazo de 60 dias.

A conselheira julgou ainda o processo de nº 983/2002 referente a um contrato administrativo pactuado entre a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública com a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, no valor de R$ 114.000,00. A prestação de contas foi julgada irregular porque, de acordo com o relatório da conselheira Marisa Serrano, os documentos apresentados não foram suficientes para comprovar a regular liquidação das despesas. O ordenador de despesas à época, Almir Silva Paixão, foi responsabilizado pelas irregularidades e além da multa de 120 Uferms (R$2.090,40), deverá restituir os cofres públicos do valor impugnado de R$ 29.972,78 devidamente atualizados.

Após publicação no Diário Oficial Eletrônico do TCE/MS, os gestores dos respectivos órgãos jurisdicionados poderão entrar com recurso ordinário e/ou pedido de revisão, conforme os casos apontados nos processos.

Alexsandra oliveira

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Covid-19: país tem 15,5 milhões de casos acumulados e 434,7 mil mortes
TECNOLOGIA
Começa a valer hoje nova política de privacidade do WhatsApp
MEIO AMBIENTE
Polícia Militar Ambiental de Bonito captura seriema com perna quebrada
AGEPEN
Por intermédio da Agepen, primeira certidão de nascimento digital de preso indígena é emitida em MS