Menu
Busca quinta, 13 de maio de 2021

Acesso de partido a programas de Rádio e TV tem novos critérios

24 agosto 2011 - 15h30Por Fonte: Matéria
CCJ do Senado aprova critérios para acesso de partidos a programas gratuitos de rádio e TV

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou hoje (24) projeto de lei que estabelece critérios ao acesso dos partidos políticos aos programas gratuitos de rádio e televisão. Pela proposta, que segue para a análise da Câmara dos Deputados, a proposta que será incorporada à Lei Orgânica dos Partidos Políticos, só terão direitos ao funcionamento parlamentar na Câmara os partidos que, em cada eleição, obtivesse o mínimo de três representantes de diferentes estados.

Quanto às regras estabelecidas para o acesso aos programas partidários gratuitos, o projeto estabelece que o partido que eleger três deputados federais de diferentes estados terá direito a um programa anual, em rede nacional, de dez minutos. Já a legenda que eleger representante em, no mínimo, cinco estados e obtiver 1% dos votos válidos terá direito a um programa político de dez minutos a cada seis meses. Para tanto, o partido terá que ter representantes na Câmara dos Deputados na legislatura anterior.

A esses partidos está assegurada, também, a veiculação em rede nacional de rádio e televisão de um espaço de 20 minutos semestrais para as inserções de 30 segundos ou um minuto. O projeto estabelece, ainda, a veiculação nos estados de inserções no mesmo tempo que em rede nacional que somem 20 minutos por semestre.

Já os partidos que não atendam a nenhum dos critérios previstos na proposta aprovada pelo Senado é assegurada a realização de um programa em cadeia nacional, em cada semestre, com duração de cinco minutos

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPACIDADE
Subjuv abre inscrições para curso de desenvolvimento de aplicativos
SAÚDE
Covid-19: Brasil registra 76.692 casos e 2.494 mortes
TEMPO
Vento sul contribui para mais um dia de temperaturas amenas em Mato Grosso do Sul
SAÚDE
Perfil genético torna paciente mais suscetível à covid-19, diz estudo