Menu
Busca domingo, 01 de agosto de 2021

Após mudança, Dilma agora quer conter rejeição de militares a Amorim

06 agosto 2011 - 12h09Por Folha.com
A presidente Dilma Rousseff se reuniu com os comandantes das Forças Armadas ontem (5), antes de embarcar para o Nordeste, para formalizar pessoalmente o convite para que fiquem nos cargos. Esta foi uma tentativa de neutralizar resistências ao nome do novo ministro da Defesa, Celso Amorim.

A presidente foi rápida e formal. Confirmou a saída do ministro Nelson Jobim e a chegada de Amorim, ratificou o convite para que fiquem e determinou à cúpula militar e subordinados que fiquem em silêncio. Não quer qualquer tipo de manifestação da tropa quanto à troca.

Na sexta-feira(5), porém, o general Augusto Heleno, porta-voz informal do Exército, disse que a troca na pasta "não tem impacto nem trauma, porque troca de comando é rotina para nós".

Na Bahia, Dilma afirmou, na tarde de ontem, que o ex-ministro da Defesa Nelson Jobim é "página virada" no governo federal.

"Eu reconheço o trabalho que ele [Jobim] deu ao país. Infelizmente, nós esgotamos uma etapa e, por isso, passamos e viramos a página", disse Dilma no aeroporto de Petrolina (PE), em entrevista a rádios locais.

Falando como novo ministro, em palestra na UEPB (Universidade Estadual da Paraíba), em João Pessoa (PB), o ex-chanceler Celso Amorim disse que terá que ser "mais cuidadoso com as palavras" no Ministério da Defesa.

"Eu já não posso falar como um ex-ministro das Relações Exteriores. Terei que ser mais cuidadoso com as palavras para não me comprometer", disse Amorim no evento. O diplomata deve tomar posse hoje(8)

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Aneel: bandeira tarifária de agosto se manterá vermelha
BR-262
Homem morre ao ficar preso entre as ferragens após carro cair em valeta de rodovia no MS
POLÍCIA
Drone, drogas e celulares são apreendidos pelo DOF momentos antes de chegarem aos internos da PED
SAÚDE
Covid longa: pacientes 'recuperados' podem ter problemas de raciocínio e memória, aponta pesquisa