domingo, 23 de junho de 2024

Após mudança, Dilma agora quer conter rejeição de militares a Amorim

06 agosto 2011 - 12h09Por Folha.com
A presidente Dilma Rousseff se reuniu com os comandantes das Forças Armadas ontem (5), antes de embarcar para o Nordeste, para formalizar pessoalmente o convite para que fiquem nos cargos. Esta foi uma tentativa de neutralizar resistências ao nome do novo ministro da Defesa, Celso Amorim.

A presidente foi rápida e formal. Confirmou a saída do ministro Nelson Jobim e a chegada de Amorim, ratificou o convite para que fiquem e determinou à cúpula militar e subordinados que fiquem em silêncio. Não quer qualquer tipo de manifestação da tropa quanto à troca.

Na sexta-feira(5), porém, o general Augusto Heleno, porta-voz informal do Exército, disse que a troca na pasta "não tem impacto nem trauma, porque troca de comando é rotina para nós".

Na Bahia, Dilma afirmou, na tarde de ontem, que o ex-ministro da Defesa Nelson Jobim é "página virada" no governo federal.

"Eu reconheço o trabalho que ele [Jobim] deu ao país. Infelizmente, nós esgotamos uma etapa e, por isso, passamos e viramos a página", disse Dilma no aeroporto de Petrolina (PE), em entrevista a rádios locais.

Falando como novo ministro, em palestra na UEPB (Universidade Estadual da Paraíba), em João Pessoa (PB), o ex-chanceler Celso Amorim disse que terá que ser "mais cuidadoso com as palavras" no Ministério da Defesa.

"Eu já não posso falar como um ex-ministro das Relações Exteriores. Terei que ser mais cuidadoso com as palavras para não me comprometer", disse Amorim no evento. O diplomata deve tomar posse hoje(8)

Deixe seu Comentário

Leia Também

REGIÃO

Jovem morre após colidir moto em trailer de lanches

SETOR AÉREO

Mais de 36,7 mi de passageiros voaram pelo país de janeiro a maio deste ano

GERAL

Mega-Sena acumula mais uma vez e prêmio vai a R$ 93 milhões

ESPORTE

Operário AC bate Ivinhema e vira turno na liderança do Grupo B do Estadual Sub-20