domingo, 23 de junho de 2024
DETRAN MAIS PERTO, MAIS EFICIENTE
MORTES NA PANDEMIA

Barroso envia à PGR acusação de vítimas da Covid contra Bolsonaro

13 agosto 2022 - 09h30Por G1

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso encaminhou à PGR (Procuradoria-Geral da República) uma acusação contra o presidente Jair Bolsonaro feita pela Associação de Vítimas e Familiares de Vítimas da Covid-19.

O grupo afirma que o presidente cometeu nove crimes na gestão da pandemia da Covid: 

perigo para a vida ou saúde de outrem;

subtração, ocultação ou inutilização material de salvamento;

epidemia com resultado morte;

infração de medida sanitária preventiva;

charlatanismo;

incitação ao crime;

falsificação de documento particular;

emprego irregular de verbas públicas;

prevaricação (agir ou se omitir como funcionário público, contrariando a lei, para obter vantagem pessoal).

"Da petição inicial, dê-se vista à Procuradoria-Geral da República para manifestação", escreveu Barroso.

A associação apresentou ao Supremo uma ação penal privada subsidiária da pública – tipo de processo previsto na Constituição quando não há ação do Ministério Público no prazo legal.

No pedido, o grupo justifica o pedido sustentando que houve "inércia" da Procuradoria-Geral da República. Eles também argumentam que apresentaram representações ao MP e pediram informações sobre o andamento do caso, que ficou sem resposta.

A associação cita ainda a apresentação do relatório final da CPI da Covid no Senado, sobre o qual tentaram obter informações na PGR, sem sucesso.

"A inércia (formal e material) do Procurador-Geral da República, em tal contexto, é induvidosa e deixa aberto o caminho para o oferecimento da presente queixa-crime subsidiária", declaram.

O grupo também menciona no documento "as inúmeras condutas do Presidente da República reveladoras de sabotagens e subterfúgios de toda ordem para retardar, frustrar e sabotar o processo de enfrentamento da pandemia da Covid-19".

Na ação, a associação afirma ainda que "resta clara e cristalina a gestão propositadamente criminosa da crise sanitária que o Brasil enfrenta e a prática do tipo penal previsto no art. 319 do Código Penal (“Prevaricação”), por parte do querelado, especialmente demonstrada através da sua atuação contrária à disposição expressa de lei e aos seus deveres funcionais".,

Deixe seu Comentário

Leia Também

REGIÃO

Jovem morre após colidir moto em trailer de lanches

SETOR AÉREO

Mais de 36,7 mi de passageiros voaram pelo país de janeiro a maio deste ano

GERAL

Mega-Sena acumula mais uma vez e prêmio vai a R$ 93 milhões

ESPORTE

Operário AC bate Ivinhema e vira turno na liderança do Grupo B do Estadual Sub-20