sexta, 23 de fevereiro de 2024

CPI do Cachoeira quebra sigilo nacional da Delta e adia decisão sobre governadores

CPI do Cachoeira quebra sigilo nacional da Delta e adia decisão sobre governadores

29 maio 2012 - 16h34
Uol

A CPI que investiga relações do bicheiro Carlinhos Cachoeira com empresas e políticos quebrou, nesta terça-feira (29), os sigilos bancário e fiscal da construtora Delta em todo o país que, segundo investigações da Polícia Federal, teria o contraventor como sócio oculto. O presidente da comissão, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), decidiu também adiar a decisão sobre depoimentos de governadores.

Envolvido com Cachoeira, o ex-diretor da Delta para o Centro-Oeste Claudio Abreu tinha autorização da cúpula da empresa para operar contas nacionais da construtora, segundo as investigações. A Delta teria fortalecido laços políticos para se beneficiar de contratos, em especial em Goiás, na gestão de Marconi Perillo (PSDB).

Os governadores do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), e do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), também foram citados em conversas de aliados de Cachoeira. De acordo com Vital, a assessoria técnica da CPI vai decidir se é possível convocar essas autoridades e dará uma resposta até 5 de junho.

As operações Vegas e Monte Carlo, da PF, indicaram que a Delta passou dinheiro a empresas fantasmas de Cachoeira. A construtora trabalhou com verbas de governos estaduais e foi uma das principais vencedoras de obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), do Palácio do Planalto. Parlamentares estimam que os repasses desse tipo podem ter superado os R$ 50 milhões. As investigações não confirmam esses dados.

Mais cedo, os aliados do governo Dilma ampliaram o domínio sobre a direção da CPI do Cachoeira após a eleição do deputado Paulo Teixeira (PT-SP) a vice-presidente da comissão. Ele venceu o senador Pedro Taques (PDT-MT) por 21 a 8. Houve ainda dois votos nulos.

O presidente da comissão passou mais de um mês sem eleger alguém que o substitua em eventualidades. O relator, deputado Odair Cunha (PT-MG), ainda não cogita indicar subrelatores, o que poderia dar espaço aos oposicionistas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE

Grupo vai subsidiar políticas de enfrentamento de mortes no trabalho

GERAL

Antropólogos propõem incluir povo indígena em debate sobre bioeconomia

GERAL

Estudo aponta impacto etnorracial no desenvolvimento infantil

GERAL

STF pode agendar audiências para debater revisão da Lei da Anistia