Menu
Busca sexta, 29 de maio de 2020
POLÍTICA

Governo de MS suspende férias de servidores na Saúde e Bombeiros, mas mantém aulas nas escolas

Decretos podem ser alterados conforme mais casos forem notificados, segundo Reinaldo Azambuja (PSDB)

16 março 2020 - 13h30Por Mídiamax

Em coletiva nesta segunda-feira (16), o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) informou que o decreto a ser publicado sobre medidas para evitar a disseminação do novo coronavírus, o Covid-19, em Mato Grosso do Sul, deve suspender as férias dos servidores da Saúde e dos Bombeiros, mas mantém as aulas da Rede Estadual de Ensino.

No entanto, novos decretos devem ser publicados nos próximos dias caso aumente o número de notificações e casos confirmados no Estado. O decreto também terá pedido de restrição a aglomeração de pessoas, assim como o publicado pela Prefeitura de Campo Grande.

“As vezes, a paralisação total pode ser extremamente prejudicial. Nós vamos ter uma circulação maior de coronavírus, mas vamos organizar e normatizar novos decretos. Mas, no momento, o Estado entendeu que não é preciso suspender as aulas”, explicou Azambuja.

As decisões passarão todas pelo Centro de Operações de Emergências para o novo coronavírus, montado no final de janeiro, para que os novos decretos passem a vigorar.

“Neste momento, nós pedimos para que os idosos acima de 60 anos, principalmente acima os de 80 anos, evitem a aglomeração. São pessoas em maior risco de letalidade”.

Estado poderá confiscar insumos

O governador também adiantou que o Estado tem poder de polícia e que poderá confiscar insumos, caso seja identificado que comerciantes estejam escondendo máscaras e álcool em gel, assim como alimentos da população, para poder aumentar os preços.

“Infelizmente existem aproveitadores que querem ganho fácil com os insumos. Se vendia por R$ 2, agora quer vender por R$ 10. O Estado tem os meios necessários para identificar isso e agir, por meio da força, para confiscar bens”.

Uma reunião com o governo do Estado e com o Ministério Público Estadual e Tribunal de Justiça será realizada nesta segunda para definir meios de fiscalização dessas situações.

Aulas pode ser suspensas em abril

De acordo com o governador Azambuja, o Estado calcula que o pico da circulação do novo coronavírus em Mato Grosso do Sul aconteça no final do mês de março e no início de abril. “Tudo tem um momento. Teremos que estudar um cronograma com o monitoramento pelo grupo de operações e emergências para que o Estado não haja, por muitas vezes, no imediatismo”.

As aulas só serão suspensas caso aumente o número de casos confirmados e a população não consiga manter baixa a circulação do vírus, tomando as medidas necessárias.

O governador Reinaldo Azambuja criticou o imediatismo de medidas que podem ser consideradas drásticas. “Existem pessoas, comerciantes, a indústria, que dependem do comércio. E também existem situações mais letais, como a dengue. Cada um precisa cuidar do seu quintal para evitar a mortalidade, que é ainda maior que a do vírus. Então é preciso analisar a situação e ver o que é imediatismo e o que não é. Por isso, devemos cuidar dos grupos de risco e também de toda a situação, mas sempre com cautela. Caso a situação avance, o governo vai publicar novos decretos”.

Servidores

Assim como o decreto vai nortear o estímulo ao teletrabalho e evitar o contato dos funcionários do setor privado com aglomerações, os servidores públicos também devem realizar teletrabalho e alterações de jornada visando o menor contato entre as pessoas.

Durante a vacinação contra a gripe, o governo também deve organizar cronogramas para evitar a aglomeração nos postos de saúde.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOTÍCIAS
Produtividade: Magistrados de MS proferem mais de 77 mil sentenças em teletrabalho
GERAL
INSS divulga resultado da seleção de servidores temporários
CIDADES
Mato Grosso do Sul está em alerta para tempo seco e baixa umidade relativa do ar
SAÚDE
Com mais 94 confirmados, Mato Grosso do Sul passa para 1.356 pacientes com coronavírus