Menu
Busca domingo, 16 de maio de 2021

“Queremos que o pré-sal seja dividido por todos brasileiros”, diz André

“Queremos que o pré-sal seja dividido por todos brasileiros”, diz André

03 dezembro 2012 - 15h00
Campograndenews

O governador André Puccinelli (PMDB) confirmou, nesta segunda-feira, que viaja amanhã (4) de madrugada para Brasília (DF), onde se une a outros governadores e prefeitos de todo País para buscar alternativas na tentativa de derrubar o veto da presidente Dilma Rousseff (PT) ao projeto de lei da Câmara Federal que dá nova partilha dos royalties do pré-sal a estados e municípios.

Segundo ele, o movimento é para “se insubordinar contra a injustiça”. Mato Grosso do Sul receberia, pelo texto, cerca de R$ 150 milhões dos royalties em 2013, dez vezes a mais do que prevê a atual legislação. “Queremos que o pré-sal seja dividido por todos os irmãos brasileiros. Não é justo que 95% do recurso vá para Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo e 5% para o resto para o Brasil”, declarou, nesta manhã, ao participar da abertura do Expocidades, em Campo Grande.

Puccinelli questionou os critérios da presidente no veto sob a ótica de que quem produz o petróleo não são os estados e sim a Petrobras com empresas associadas, nacionais ou estrangeiras, que participam de licitação.

Para exemplificar o raciocínio, André lembrou o desastre do derramamento de petróleo ocorrido no campo Frade, na Bacia de Campos, em novembro do ano passado, em que não foram responsabilizados estados como o Rio de Janeiro e Espírito Santo, maiores produtores, mas a Chevron Brasil que recebeu multa de R$ 35 milhões estabelecida pela ANP (Agência Nacional de Petróleo).

“O dinheiro é de todos porque educação e saúde e são responsabilidades de todos os estados brasileiros”, pontuou.

Puccinelli também destacou que é preciso analisar o texto e a forma como foi vetado o projeto aprovado na Câmara.
Ele disse acreditar que Dilma foi aconselhada por assessores a vetar a matéria sob o receito de que, caso sancionada, infringisse contratos. André comentou que matéria publicada pela Folha de São Paulo no fim de semana mostrou que não existe quebra de contratos.

O chefe do Executivo Estadual ainda demonstrou confiança em receber apoio do presidente do Senado, José Sarney, para reverter a situação. Segundo ele, Sarney tem se mostrado disposto a auxiliar os estados e municípios, prejudicados pela disposição da atual legislação.

“Mato Grosso do Sul tem tantos brasileiros quanto nesses estados (RJ, ES e SP). Queremos fazer ouvir a nossa voz”, frisou.

A CMN (Confederação Nacional dos Municípios) já convocou uma “cruzada nacional” pela derrubada do veto. De acordo com a entidade, o veto manterá o “privilégio injustificado” de dois estados e 30 municípios, que receberão R$ 201 bilhões até o final de 2020, enquanto o restante do país, equivalente a 170 milhões de pessoas, terá direito a apenas R$ 17 bilhões.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Covid-19: país tem 15,5 milhões de casos acumulados e 434,7 mil mortes
TECNOLOGIA
Começa a valer hoje nova política de privacidade do WhatsApp
MEIO AMBIENTE
Polícia Militar Ambiental de Bonito captura seriema com perna quebrada
AGEPEN
Por intermédio da Agepen, primeira certidão de nascimento digital de preso indígena é emitida em MS