Menu
Busca sábado, 27 de novembro de 2021
YARIS SD DOURAMOTORS - NOVEMBRO 2021
POLÍTICA

Senado sabatina onze servidores para chefiar embaixadas brasileiras

Do total de sabatinados, cinco são mulheres

25 novembro 2021 - 14h30Por Agência Brasil

Em um dia dedicado a sabatinas de indicados para chefiar embaixadas brasileiras na Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado, a presidente do colegiado, senadora Kátia Abreu (PP-TO), destacou na abertura da reunião, nesta quinta-feira (25), as indicações de mulheres para chefiar embaixadas brasileiras e o posto na Associação Latino-Americana de Integração (Aladi).

Entre os 11 nomes de servidores da carreira do Itamaraty analisados - para chefiar as embaixadas em Honduras, China, Liechtenstein, Mongólia, Suécia, Espanha, Colômbia, Equador, Portugal, Hungria e Namíbia, além da delegação permanente do Brasil junto à Aladi e ao Mercado Comum do Sul (Mercosul) - cinco são mulheres.

De acordo com Kátia Abreu, que é a primeira mulher a presidir essa comissão no Senado, apenas 15% das missões brasileiras são chefiadas por mulheres, metade da média dos países desenvolvidos.

Segundo a senadora, o chanceler Carlos Alberto Franco França acatou a sugestão da CRE de aumentar o número de mulheres no comando de missões brasileiras. A senadora também comemorou o fato de o Itamaraty ter se comprometido a promover mais mulheres internamente.

O volume de sabatinas em um só dia é para que elas fiquem prontas para votação em plenário da Casa durante o esforço concentrado marcado para a próxima semana. A votação das indicações, que começou às 10h e deve se estender por todo o dia, é obrigatoriamente presencial, por meio de urnas eletrônicas instaladas no Senado.

Indicadas

A diplomata Maria Luisa Escorel de Moraes é a indicada para comandar a embaixada brasileira na Suécia e, cumulativamente, na Letônia. Ela ressaltou que empresas da Suécia empregam hoje mais de 60 mil pessoas em suas subsidiárias e parceiras no Brasil.

“Há investimentos de grandes companhias industriais como a Scania, Volvo, Saab, Electrolux e Ericsson, mas a quantidade de empresas suecas com investimentos no Brasil passa de 220. Estão principalmente no estado de São Paulo, e empregam mais de 60 mil trabalhadores”, destacou.

Caso seja aprovada, Escorel disse que uma de suas prioridades será zerar o atual déficit brasileiro nas relações comerciais com a Suécia, que hoje gira em torno de US$ 760 milhões anuais.

Para Honduras a indicada é Andréa Saldanha da Gama Watson. Se confirmada pelo Senado, ela disse que vai analisar a viabilidade de parcerias em áreas como energia, agricultura e combate à violência contra mulheres.

Watson também pretende propor ações como a instalação de fábricas de cachaça, produção de arroz e incentivo ao turismo entre Brasil e Honduras, bem como a formalização de parcerias para que a Embraer faça a manutenção de aeronaves tucanos hondurenhas.

Segundo Andréa Watson o país é o terceiro mais pobre das Américas, com metade da população abaixo da linha de pobreza. Ela destacou a preocupação com o alto índice de violência, já que o lugar é rota do narcotráfico, ressaltando que o governo tem obtido avanços na luta contra o crime.

Já o plano de trabalho apresentado pela diplomata, Claudia Buzzi, para a embaixada do Brasil em Berna, na Suíça, tem como foco central a assinatura do acordo entre o Mercosul e a Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA). De acordo com ela, a medida deve intensificar o fluxo de comércio entre Brasil e Suíça, além de incrementar as relações com Liechtenstein.

“A embaixada vai prestar esclarecimentos em particular sobre áreas como preservação do meio ambiente, agricultura sustentável e a proteção de povos indígenas”, disse a indicada. Buzzi sugeriu como estratégia para avanço no acordo o reforço da diplomacia parlamentar e disse que a aprovação pelo Senado da criação Grupo Parlamentar Brasil-Suíça pode colaborar nesse processo

Durante sua apresentação, a indicada para embaixadora do Brasil na Namíbia, Vivian Loss Sanmartin, destacou no Senado que o traço mais emblemático das relações do país com o Brasil é a cooperação entre as Marinhas dos dois países. Ela relatou que existe um acordo de cooperação naval, o que possibilitou à Namíbia criar sua própria Marinha em 2004. Segundo a diplomata, mais de mil militares namibianos receberam treinamento e capacitação militar no Brasil, tendo inclusive aprendido a língua portuguesa.

Já a diplomata Susan Kleebank destacou a recente venda de duas aeronaves KC-390, pela Embraer, para o governo húngaro. O valor do contrato foi de US$ 300 milhões. A parceria fez com que a Embraer abrisse em agosto um escritório em Budapeste, capital do país.

Para Susan Kleebank, a entrada da Embraer abre espaço para que o Brasil reverta seu déficit crônico nas relações comerciais com a Hungria, uma vez que o Brasil importa produtos de maior valor agregado, enquanto tradicionalmente apenas exporta produtos primários. A despeito de buscar aumentar as exportações de produtos industriais, Kleebank também vê espaço para incrementar as exportações do agronegócio.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Saúde avalia inclusão de remédios para tratamento da Hemofilia A
LEGISLATIVO DE MS
Neno Razuk solicita reforma na lavanderia comunitária em Dourados
POLÍTICA
Presidente diz que Brasil e o mundo não aguentam um novo lockdown
ECONOMIA
"Estamos perto de ver o topo da inflação", diz presidente do BC