Menu
Busca terça, 13 de abril de 2021

Mais de 42 mil gestantes devem ser vacinadas contra coqueluche em MS

19 novembro 2014 - 10h30Por G1 MS
Mato Grosso do Sul deverá imunizar 42,2 mil gestantes contra a coqueluche. Segundo informações divulgadas nesta segunda-feira (17) pelo Ministério da Saúde, já foram enviadas ao estado 18,5 mil doses da vacina. A substância contra difteria, tétano e coqueluche (dTpa) passa a fazer parte do calendário nacional de vacinação pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

A recomendação do ministério é que sejam imunizadas mulheres entre as 27ª e a 36ª semanas de gestação – período que gera maior proteção para a criança, com efetividade estimada em 91%. A dose também pode ser aplicada até, no máximo, 20 dias antes da data provável do parto.

Também devem ser vacinados cinco mil funcionários da saúde. Em Mato Grosso do Sul, foram registrados 267 casos da doença e quatro mortes, entre 2011 e 2013. Por mês, o órgão enviará 4,4 mil doses para o estado.

Ainda de acordo com o ministério, se a mulher não tomou nenhuma dose da vacina antes de engravidar, é necessário tomar duas doses da dupla adulto, com intervalo de no mínimo 30 dias, e complementar com a dTpa.

Caso a mulher tenha tomado uma dose da dT antes da gestação, ela deverá reforçar o esquema com mais uma dose da dT e outra da dTpa. Já para as mulheres que se preveniram com duas ou mais doses da dT, recomenda-se a dTpa administrada com apenas uma dose. Mulheres grávidas devem tomar uma dose da dTpa em cada gestação, independente de terem tomado anteriormente.

Doença

A coqueluche é uma doença infecciosa aguda, de alta transmissão. As principais complicações secundárias são a pneumonia, otite média, ativação de tuberculose latente, enfisema pneumotórax, entre outras.

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPERAÇÃO HÓRUS
Veículo furtado com quase meia tonelada de maconha foi recuperado pelo DOF
EDUCAÇÃO
Prouni: MEC abrirá em maio inscrições para bolsas remanescentes
JUTI
Polícia Militar apreende veículo com chassi adulterado
COTAÇÃO
Dólar fecha acima de R$ 5,70 em meio a incertezas políticas e fiscais