sexta, 23 de fevereiro de 2024

Novo levantamento do IBGE mostra alta de 39% na safra de milho em MS

11 maio 2012 - 09h54Por Fabiano Arruda/Campo Grande News
Levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), divulgado nesta quinta-feira, mostra que a produção de milho na segunda safra, em Mato Grosso do Sul, comparada à previsão divulgada no mês passado, terá aumento de 39%.

A previsão de colheita do grão salta, desta forma, de 3,1 milhões de toneladas previstas em abril para 4,4 milhões de toneladas em maio. A área a ser colhida do milho segunda safra aumenta de 950,9 mil hectares para 1,14 milhões de hectares.

Caso a projeção se confirme, a produção do grão vai crescer 34% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foi de 3,3 milhões de toneladas.

A produção total do milho no Estado, levando as previsões da primeira fase, representa aumento de 3,6 milhões de toneladas em 2011 para 4,8 milhões de toneladas neste ano.

Outros números - Em relação a cana-de-açúcar, o IBGE aponta queda da estimativa divulgada no mês passado de 40,5 milhões de toneladas para 38,5 toneladas em maio. O número, mesmo assim, é superior a produção no ano passado, que bateu 34,8 toneladas, segundo o instituto.

A produção de soja também aponta queda entre abril e maio: de 4,9 milhões de toneladas para 4,6 milhões de toneladas, o que representa baixa em relação ao ano passado, quando o ciclo terminou com 5,079 milhões de toneladas.

Neste cenário, Mato Grosso do Sul segue na sexta posição nacional da produção de grãos com 6,2 milhões de toneladas, alta comparada aos 5,7 milhões de toneladas divulgadas na previsão do ano passado.

O Estado fica atrás de Mato Grosso (23 milhões de toneladas), Paraná (19,3), Rio Grande do Sul (12,6), Goiás (11) e Minas Gerais (7,4).

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL

Correios distribuirão provas do Concurso Unificado

ECONOMIA

Vendas do Tesouro Direto sobem 13% em janeiro

INFRAESTRUTURA

Governo de MS mantém ações voltadas ao desenvolvimento de Ponta Porã

SAÚDE

Grupo vai subsidiar políticas de enfrentamento de mortes no trabalho