Menu
Busca quarta, 27 de janeiro de 2021

Emprego na indústria volta a cair em maio, mostra IBGE

10 julho 2012 - 11h09Por Agência Brasil
O emprego na indústria brasileira registrou queda de 0,3% em maio deste ano, em relação ao mês anterior. É a terceira redução consecutiva do indicador, que acumula perda de 1,1% no período, segundo dados da Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário (Pimes), divulgada hoje (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O número de horas pagas também caiu na comparação de maio com abril (-0,6%), assim como o valor da folha de pagamento real, que teve uma queda de 2,5% no período.

Em relação a maio de 2011, o emprego na indústria teve queda de 1,7%, a oitava taxa negativa nesse tipo de comparação. O número de horas pagas caiu 2,8%, mas o valor da folha de pagamento real subiu 1,1% no período.

Doze dos 14 locais pesquisados apresentaram queda no número de pessoas empregadas, na comparação de maio deste ano com o mesmo período do ano passado. O destaque negativo ficou com São Paulo, que teve uma redução de 3,2% no emprego industrial, seguido pela Região Nordeste (-2,6%) e pelos estados do Rio Grande do Sul (-2,3%), de Santa Catarina (-1,4%), do Ceará (-3,2%) e da Bahia (-3,4%). Apenas o Paraná e Minas Gerais, com altas de 2,2% e 0,3%, respectivamente, contribuíram positivamente para o indicador.

Também na comparação de maio deste ano com o mesmo período de 2011, 12 das 18 atividades industriais pesquisadas tiveram redução na oferta de vagas. Os setores que tiveram maiores impactos na queda do emprego industrial foram vestuário (-8,7%), calçados e couro (-6,1%), produtos de metal (-4,3%), têxtil (-5,7%) e papel e gráfica (-4,6%).

O total de pessoal ocupado na indústria brasileira acumula quedas de 1,1% no ano e de 0,3% nos últimos 12 meses.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Tereza Cristina: transformação digital deve inserir agronegócio
SAÚDE
Covid-19: OMS aponta presença da variante de Manaus em oito países
POLÍTICA
Governo federal diz que não se envolve em compras privadas de vacina
ECONOMIA
Bolsonaro apela para que caminhoneiros não façam greve