Menu
Busca terça, 02 de março de 2021

Corregedoria abriu procedimento após denúncia de que projeto de Sérgio Harfouche equivale a trabalho infanto-juvenil, que é proibido

Corregedoria abriu procedimento após denúncia de que projeto de Sérgio Harfouche equivale a trabalho infanto-juvenil, que é proibido

04 janeiro 2012 - 14h00
Campograndenews

A Corregedoria do MPE (Ministério Público Estadual) abriu investigação sobre projeto desenvolvido desde 2009 pelo promotor da Vara da Infância e da Juventude de Campo Grande, Sérgio Harfouche, que, para reduzir os casos de violência e indisciplina entre estudantes, atribui aos que dão trabalho para a escola a realização de tarefas no ambiente escolar, como por exemplo, a limpeza do estabelecimento.

O projeto PAE (Prática de Ação Educativa), como foi batizado, é responsável, segundo dados divulgados pelo promotor, pela redução de 60% dos casos de violência na escola onde é aplicado e também pela redução das ocorrências que vão parar na Delegacia, na Promotoria e no Judiciário.

A linha de raciocínio, segundo o promotor, é educar pela disciplina. “Sujou, limpa, quebrou, conserta, desacatou, pede desculpas”. Seguindo essa filosofia, um estudante que estorquiu um colega, no ano passado, recebeu como "pena" a tarefa de limpar a escola e lavar a louça após a merenda, por três meses.

Esse entendimento, porém, não é compartilhado pelos responsáveis pela fiscalização do trabalho, proibido para crianças e adolescentes até 16 anos. Para integrantes do MPT( Ministério Público do Trabalho) e STF (Superintendência Regional do Trabalho), a atividade desenvolvida pelo promotor, que tem apoio de dirigentes de escolas e de muitos pais, equivale a trabalho infantil, portanto ilegal.

Por isso, houve uma provocação ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça) e ao Fórum de Erradicação do Trabalho Infantil para investigar o assunto. O CNJ encaminhou o caso para a Corregedoria do MPE em Mato Grosso do Sul, que abriu a investigação.

Harfouche apresentou sua defesa no começo de dezembro. Ao Campo Grande News disse que está tranqüilo quanto ao processo de investigação. “Isso não é trabalho, é prática pedagógica”, afirma sobre a cultura adotada pelo projeto PAE.

Conhecido por seus posicionamentos linha-dura, que incluem a defesa da castração química para pedófilos, o promotor afirma que a iniciativa, inscrita na edição de 2009 do Prêmio Innovare, voltado às boas práticas do Judiciário Brasileiro, tem o apoio dos pais e dos dirigentes escolares. “Eu acho que eu protejo, eu tiro do ócio”.

A reportagem tentou contato com os representantes pelo combate ao trabalho infanto-juvenil, mas ninguém foi localizado, em razão do recesso de início de ano.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
OMS estima 2,5 bilhões de pessoas com problemas auditivos em 2050
POLÍTICA
Conselho de Ética notifica deputados Daniel Silveira e Flordelis
GUIA LOPES DA LAGUNA
Polícia Civil prende indivíduo e apreende adolescente envolvidos em tentativa de homicídio
SAÚDE
Governadores querem rapidez para liberar produção da Sputnik V no país