Menu
Busca sábado, 05 de dezembro de 2020

Noiva do goleiro Bruno afirma desconhecer plano para matar juíza

Noiva do goleiro Bruno afirma desconhecer plano para matar juíza

22 dezembro 2011 - 14h40
UOL

A noiva do goleiro Bruno Souza, a dentista Ingrid de Oliveira, prestou depoimento nesta quinta-feira (22) à Polícia Civil mineira, em Belo Horizonte (MG), e negou ter tido conhecimento de plano para matar a juíza Marixa Fabiane Lopes Rodrigues, do 1º Tribunal do Júri de Contagem (MG), e o delegado Edson Moreira, chefe do Departamento de Investigações de Minas Gerais. Ambos são ligados ao caso Eliza Samudio, ex-amante do goleiro que está desaparecida desde junho de 2010.

A magistrada pronunciou, em dezembro do ano passado, o goleiro e mais sete réus a júri popular, ainda sem data marcada. Já o delegado foi o responsável pelo inquérito sobre o caso. De acordo com a polícia, a dentista carioca foi apontada por um detento, que denunciou o suposto plano, como quem deveria fazer o contato com o traficante Nem da Rocinha, preso em novembro deste ano no Rio de Janeiro.

“Ela disse que não tem conhecimento desse fato. Nega tudo e disse estar até surpresa com a revelação dessa notícia”, disse o delegado Islande Batista, do Deoesp (Departamento Estadual de Operações Especiais) da Polícia Civil, localizado no bairro Gameleira, região oeste da cidade, e onde a mulher prestou depoimento na manhã de hoje.

Já foram ouvidos o goleiro e Luiz Henrique Romão, o Macarrão. Segundo a polícia, eles negaram participação no suposto plano. Batista afirmou que vai colher o depoimento de Nem, que está preso em uma penitenciária federal, em Mato Grosso do Sul, por carta precatória.

Denúncia
O preso que fez as denúncias partilhou cela com Bola na penitenciária de segurança máxima, Nelson Hungria, em Contagem (MG), e acusa o ex-policial, apontado como o executor de Eliza Samudio, de ter revelado a ele a intenção, hipoteticamente pactuada com o goleiro, de matar a juíza e o delegado.

Além deles, fariam parte da lista de pessoas e serem eliminadas o deputado estadual Durval Ângelo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, e os advogados José Arteiro, assistente de acusação e representante da mãe de Eliza, e o ex-defensor do goleiro Ércio Quaresma, informou a polícia.

Acareação
Na tarde de hoje está previsto o depoimento de Bola, no mesmo local. O delegado Islande Batista afirmou que, dependendo do resultado das informações prestadas pelo ex-policial, existe a possibilidade de uma acareação entre ele e o detento autor das denúncias.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Inscrições abertas para seleção de bolsas PIBIC, PIBIC-AAF e PIBITI
INTERNACIONAL
Rússia começa a vacinar principais grupos de risco contra covid-19
BONITO
PMA resgata jabuti com casco dilacerado por atropelamento, periquito ferido e gambá em pousada
LIBERDADE ECONÔMICA
Projeto enviado à Assembleia garante segurança jurídica e inovação aos empresário