Menu
Busca sábado, 26 de setembro de 2020

Suspeitos de desvio de recurso público prestam depoimento no MP

Suspeitos de desvio de recurso público prestam depoimento no MP

18 novembro 2015 - 09h45Por G1
Os suspeitos de participarem de irregularidades na MS-171, em Aquidauana, prestaram depoimento ao Ministério Público do Estado (MP-MS) nesta terça-feira (17). Os nove chegaram a ser presos durante desdobramento da operação Lama Asfáltica, mas foram liberados por causa de uma decisão da Justiça.

Foi um foi um entra e sai durante toda a tarde na Procuradoria-Geral de Justiça em Campo Grande. O contrato para recuperar a rodovia estadual foi assinado no ano passado entre a Proteco e o governo do estado no valor de quase R$ 4 milhões.

O ex-assessor especial do Ministério dos Transportes, ex-deputado federal e ex-secretário de Obras do estado, Edson Giroto, foi um dos ouvidos. O advogado Valeriano Fontoura nega que Giroto seja um dos líderes de um esquema de fraude em contratos públicos.

“Não existe prova de nada. O que existe são suposições colocadas”, afirmou Fontoura.

O empresário João Amorim, é outro suspeito de chefiar os desvios de recursos públicos. Ele e Elza Amaral,
braço direito do dono da Proteco, foram os últimos a chegar para prestar depoimento.

A defesa do ex-secretário estadual de Obras, Wilson Tavares, criticou as prisões decretadas pela Justiça e considerou o processo como um pré-julgamento. “São pré-julgamentos morais e materiais”, pontuou Luciana Ghattas.

Também negaram envolvimento em fraudes em contratos públicos os advogados de Maxwell Thomé Gomez, engenheiro da Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos (Agesul), em Coxim, e de Wilson Roberto Mariano de Oliveira, ex-assessor especial da agência estadual.

O engenheiro chefe da Proteco, Rômulo Menossi, e o advogado da empresa, Benedictode Figueiredo, não quiseram dar declarações. Seguiram a estratégia do silêncio os engenheiros Donizete Rodrigues da Silva, da Agesul de Jardim, e João Afif Jorge, que prestava serviços para a agência.

Maria Wilma Casanova, braço-direito de Giroto e ex-diretora-presidente da Agesul, não quis revelar o que disse aos promotores.

Prisões

As primeiras prisões foram decretadas pela Justiça com base na suspeita de irregularidades na MS-228, no Pantanal, no dia 9 de novembro. Segundo as investigações, a fraude nas obras de estradas acontecia com a execução de serviço inferior à qualidade contratada e na falsificação de medições.

Técnicos da Agesul assinavam laudos para atestar que o trabalho estava pronto e liberavam os pagamentos. A Justiça entendeu que os suspeitos formavam uma rede para desviar dinheiro público.

Quando o tempo da prisão temporária estava terminando, a Justiça decretou nova prisão para os suspeitos na última sexta-feira (13). Dessa vez por causa de suspeitas de irregularidade em obra na MS-171, em Aquidauana.

Lama Asfáltica

São ao todo dois inquéritos que apuram os possíveis crimes. No dia 9 de julho deste ano, foram cumpridos 19 mandados de busca e apreensão e quatro ordens de afastamentos de servidores estaduais.

A ação ocorreu em um órgão estadual, além de residências e empresas que possuíam contratos com o Poder Público. O prejuízo investigado é de R$ 11 milhões na construção de obras com recursos federais.

Além da PF, existe a parceria da Controladoria-Geral da União (CGU), do Ministério Público Federal (MPF) e da Receita Federal de Mato Grosso do Sul. Todas as empresas investigadas atuam na pavimentação de rodovias, construção de vias, coleta de lixo e limpeza pública, entre outros.

Desvio

O delegado Cléo Mazzotti, chefe da Delegacia Regional de Crime Organizado, além do outro delegado que coordena as investigações, disseram ao G1 em outubro que a PF já tinha a comprovação de seis dos R$ 11 milhões desviados para a organização criminosa.

Os outros R$ 5 milhões teriam sido desviados por meio de um esquema, segundo o delegado. Na ocasião, a Aeronáutica teria doada uma área, na qual foi construída a avenida Lúdio Martins Coelho.

Em troca, seriam realizados reparos na Base Aérea e entorno. Sgeundo a PF, o serviço foi feito, mas com verba federal e esta seria a fraude dos cinco milhões restantes.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
Celso de Mello antecipa aposentadoria do STF
CAARAPÓ
Policiais civis prendem jovem e comparsa suspeitos de tráfico de drogas
ECONOMIA
Febraban prevê que carteira de crédito deve subir 11,6% em agosto
CRIME AMBIENTAL
Polícia Militar Ambiental de Batayporã prende e autua quatro em R$ 8,4 mil por pesca predatória e apreende 139 kg de pescado, dois barcos, dois motores e petrechos