Menu
Busca quarta, 27 de janeiro de 2021
Anuário da violência

Com o dobro da capacidade, MS tem 3ª maior superlotação de presídio no País

Com o dobro da capacidade, MS tem 3ª maior superlotação de presídio no País

04 novembro 2016 - 07h30Por Campograndenews
Mato Grosso do Sul tem 13.335 presos no sistema carcerário, o dobro do número de vagas disponíveis nos presídios existentes no Estado, 6.686. Os dados são da 10° edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado nesta quinta-feira (3). A estatística deixa o Estado na terceira colocação entre as unidades federativas com maior índice de detentos, a cada 100 mil habitantes, ficando atrás apenas do Acre e Rondônia.

Conforme o levantamento, o índice de presos no Estado é de 700 a cada 100 mil habitantes. Enquanto no Acre, o número é de 873,3, e em Rondônia, 803,8 detentos.

Nos dois estados com maior índice de presos, houve rebeliões em outubro. Numa prisão de Porto Velho (Rondônia), oito presos morreram após um conflito entre o PCC (Primeiro Comando da Capital) e CV (Comando Vermelho).

O mesmo motivo causou a morte de pelo menos nove presos e 19 ficaram feridos, durante rebelião no presídio Francisco d'Oliveira Conde, na capital do Acre, Rio Branco.

A esposa de um detento relatou ao site de notícias G1 que os presos invasores estavam armados com facas e pedaços de pau. "Essa penitenciária é uma bagunça. A gente vivia dizendo que tem que separar os presos, mas eles continuam no mesmo lugar. Em pouco tempo a gente só ouvia os gritos e barulho de tiro e de bomba. A gente fica desesperado porque nossos filhos, esposos, pais e irmãos estão aí dentro."

Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, o secretário de Segurança Pública do Acre, Emylson da Silva, afirma que o estopim da guerra entre o PCC e o CV foi a morte do traficante Jorge Rafaat Toumani, no mês de junho, em Pedro Juan Caballero, fronteira de Ponta Porã com o Paraguai - distante cerca de 323 quilômetros de Campo Grande.

Em Mato Grosso do Sul não houve registro de motim, mas a guerra mobilizou forças de segurança no Estado. Em outubro, o governador, Reinaldo Azambuja (PSDB), disse que a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) e o setor de inteligência da policia estavam monitorando a situação para evitar confrontos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CÂMARA DOS DEPUTADOS
Lideranças religiosas pedem impeachment de Bolsonaro
PARANHOS
Veículo com mais de 350 quilos de maconha foi apreendido pelo DOF durante a Operação Hórus
ECONOMIA
Nascidos em dezembro podem sacar auxílio emergencial a partir de hoje
AGENDA
Governador em exercício Paulo Corrêa cumpre agenda em três municípios, onde vistoria e lança obras