Menu
Busca sexta, 18 de setembro de 2020
MS

MS registra 1º caso de microcefalia que pode ter relação com Zika vírus

30 novembro 2015 - 16h22Por Fonte: correiodoestado
O boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, divulgado nesta segunda-feira (30), aponta que existem 1.248 casos suspeitos de microcefalia no país e confirma a relação entre o Zika vírus e o surto da síndrome no Nordeste. Segundo os dados, um dos casos é de Mato Grosso do Sul, mas o município não foi informado.

Conforme a publicação, Pernambuco lidera o ranking com maior volume de casos, 646 ao todo. Em seguida, estão os estados de Paraíba (248), Rio Grande do Norte (79), Sergipe (77), Alagoas (59), Bahia (37), Piauí (36), Ceará (25), Rio de Janeiro (13), Tocantins (12) Maranhão (12), Goiás (2), Distrito Federal (1) e Mato Grosso do Sul (1).

No último dia 20, a Secretaria Municipal de Saúde de Dourados, município distante 225 km de Campo Grande, confirmou que um possível caso de Zika Vírus poderia ter ocasionado o nascimento de uma criança com microcefalia na cidade. Na ocasião, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) informou que também investigaria o caso e que, outros exames do tipo já foram feitos no Estado. Até agora, nenhum caso foi confirmado.

MORTES

Dois óbitos em decorrência do Zika vírus também foram confirmados pelo Instituto Evandro Chagas até sexta-feira (27) e divulgados hoje pelo Ministério da Saúde. O primeiro, de um homem, morador de São Luís do Maranhão com histórico de doença crônica. O mais recente, de uma garota, 16, moradora do município de Benevides (PA) que morreu em outubro.

O Zika vírus é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, responsável pela disseminação também da dengue e da chikungunya.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MS
Setembro é mês de licenciar veículos com placa final 9
MEIO AMBIENTE
Fumaça do Pantanal se desloca para o Sul do país
RANKING DO CLP
Mato Grosso do Sul é o 6º Estado mais competitivo do Brasil
SANTA RITA DO PARDO
Em ação conjunta, Polícia Militar e Polícia Civil prendem estelionatários que se passavam por policiais militares para extorquirem produtores rurais.