Menu
Busca sábado, 24 de outubro de 2020
Capital

Na lista de devedores, Capital perde recurso do Comitê Olímpico

Revezamento será no sábado e reunirá 150 condutores

23 junho 2016 - 13h35Por Fonte: correiodoestado
O revezamento da tocha olímpica, que será realizado no sábado (25), na Capital, poderia render R$ 100 mil de repasse à prefeitura para ajudar no custeio da equipe do Comitê Olímpico Internacional (COI), mas o valor foi perdido em razão de Campo Grande estar na "lista negra" de maus pagadores, o Cadin.

A tocha chega em Campo Grande na tarde de amanhã, mas o revezamento só começa depois das 13 horas do sábado, quando 40 quilômetros serão percorridos por 150 pessoas que conduzirão o fogo olímpico.

O aparato mobilizado será grande. Cerca de 150 homens e mulheres da guarda municipal, comboio de 20 veículos de patrocinadores e organizadores do evento e celebração em pelo menos em quatro praças da cidade. Toda a movimentação terá um custo, ainda mais se somada a "maquiagem" feita na semana passada para tapar buracos e sinalizar ruas por onde a tocha passará.

A prefeitura receberia ajuda de custo de R$ 100 mil, que seria repassado pelo COI. O pagamento foi cancelado porque a prefeitura está, desde o ano passado, no Cadin, o cadastro que lista as prefeituras que possuem débitos e ficam impossibilitadas de receber uma série de recursos.

Em caráter liminar, a prefeitura chegou a conseguir retirar o nome da cidade do cadastro, mas o recurso judicial não saiu em tempo suficiente para permitir a liberação do dinheiro do COI.

Diante disso, a prefeitura teve que tirar o investimento de recursos próprios. Valores remanejados entre as secretarias de Esporte e Cultura. O montante, no entanto, não foi divulgado pela prefeitura.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Resgates superam investimentos no Tesouro Direto em R$ 168,48 milhões
EDUCAÇÃO
Censo mostra que ensino a distância ganha espaço no ensino superior
ECONOMIA
Contas externas têm em setembro sexto mês seguido de saldo positivo
INTERNACIONAL
Brasil e outros 31 países assinam declaração sobre saúde da mulher