Menu
Busca terça, 01 de dezembro de 2020

Polo Corretora de Ponta Porã realizou importante palestra no final de semmana

30 janeiro 2012 - 09h00
Redação - Tião Prado e Dora Nunes

A Polo Corretora de Cereais realizou na sexta-feira, dia 27, no Sindicato Rural de Ponta Porã uma palestra e Mauro Montiel de Carvalho disse que há 8 anos a empresa atua como corretora de cereais, intermediando a compra entre produtores e grandes empresas como Sadia, Perdigão, Seara.

“ As palestras são sempre realizadas pois uma das missões da Polo é levar informação aos seus clientes, então buscamos o que tem de melhor no mercado em termos de consultores e analistas e trazemos para os nossos clientes”, comentou Mauro Montiel.

Na palestra realizada pela Polo notou-se a presença maciça de produtores rurais que foram buscar orientação quanto a comercialização de seus produtos, mas de acordo com Mauro, o palestrante que é conhecido na análise do mercado de soja também chamou a atenção dos produtores.

Alem das palestras informativas, a Polo oferece aos seus clientes o melhor negócio em termos de preço e de segurança e informação.

O palestrante Flávio Roberto França Júnior disse que a idéia foi passar aos produtores o perfil da comercialização em 2012. “ Teremos um perfil positivo para 2012 por dois motivos: a melhora do ambiente financeiro mundial, visto que esse ano começa de forma mais calma, não que tudo já se passou, visto que o problema da crise é um processo; o segundo motivo são as perdas que estão sendo contabilizadas na América do Sul, para milho e para soja, Brasil e Argentina, e o efeito disso é enxugar o estoque mundial e possivelmente repercutir numa maior demanda no produto norte-americano e ai se tem enxugamento de estoque nos Estados Unidos e aí tem condições do mercado melhorar um pouco mais; então o mercado já subiu, já reagiu parcialmente”, ressaltou o palestrante.

Flávio Roberto disse que a perda aqui na região só reflete no preço no sentido da perda global, não tendo nenhuma particularidade. “ Funciona assim: o Brasil perde, ou no Paraná, ou no Mato Grosso do Sul, e isso faz com que o preço lá fora suba repercutindo na formação do preço interno”, frisou.

Falando a respeito do transporte dos grãos,Flávio Roberto disse que é algo fundamental para os próximos anos para se conseguir melhor competitividade. “ Precisamos baixar preço de transporte, o custo do porto, tributos, pois tem um monte de coisa que ainda se paga muito caro no Brasil e o maior peso é o transporte, então esse processo que o País vem vivendo agora, com investimentos, também é lento, não é de um dia para o outro que se faz uma ferrovia, mas ainda assim é um caminho, então eu vejo isso com extremo otimismo”, comentou Flávio Roberto França Júnior.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LAGUNA CARAPÃ
Caminhão que seguia para Campo grande com mais de seis toneladas de maconha foi apreendido pelo DOF
PROPINA DIFERENTE
Traficante Minotauro usou canetas de US$ 900 para pagar propina a agentes paraguaios, afirma MPF
ECONOMIA
Seis milhões de pessoas pediram empréstimo na pandemia, diz IBGE
CORONAVÍRUS
Falta de leitos de UTI coloca em risco população de Dourados, diz secretário