Menu
Busca quinta, 29 de outubro de 2020
Ponta Porã

Ponta Porã desenvolve ações de combate a hanseníase e tuberculose

07 abril 2016 - 11h59Por Assessoria
A Prefeitura de Ponta Porã vem realizando desde o início do ano várias ações voltadas ao combate de doenças como hanseníase e tuberculose. O trabalho é desenvolvido nas unidades básicas de saúde e também nas ruas e avenidas do município.

De acordo com a gerente de vigilância em saúde, Marina Derzi, a determinação do prefeito Ludimar Novais (PDT), é para intensificar as ações, levando orientações para a população sobre como se prevenir e tratar estes tipos de doenças.

Ela lembra que no dia 30 de janeiro passado foi o Dia Mundial de Combate a Hanseníase e no dia 24 de março o Dia Mundial de Luta contra Tuberculose. "São doenças que acometem muitas pessoas e que tem tratamento gratuito na rede púbica", ressalta.

Marina Derzi disse que no último dia 28 foram desenvolvidas ações no ESF do Jardim Vitória e também do Estoril, oportunidade que a coordenadora do programa de tuberculose e hanseníase, Stella Guerra da Silva, em conjunto com o setor de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde, e apoio das enfermeiras Cláudia Ocampos Palermo, do ESF Jardim Estoril, e Gicele Renata Teixeira, do CIS, fizeram coleta de materiais para exames e avaliação clínica de pessoas com suspeita de terem contraído tuberculose ou hanseníase.

Já na noite de terça-feira, o setor de Vigilância em Saúde, juntamente com alunos do curso de técnico em enfermagem da Escola Magsul, fizeram trabalho de panfletagem no semáforo situado na avenida Brasil. Eles repassaram orientações para a população sobre as doenças, sintomas e onde procurar tratamento na rede pública em Ponta Porã.

HANSENÍASE

A hanseníase, também conhecida como lepra, é uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Mycobacterium leprae. Foi descoberta em 1873 por um cientista chamado Hansen, o nome dado a ela é em homenagem ao seu descobridor. Entretanto, esta é uma das doenças mais antigas já registradas na literatura, com casos na China, Egito e Índia, antes de Cristo.

A doença é curável, mas se não tratada pode ser preocupante. Hoje, em todo o mundo, o tratamento é oferecido gratuitamente, e há várias campanhas para a erradicação na doença. Os países com maiores incidência são os menos desenvolvidos ou com condições precárias de higiene e superpopulação. Em 2011, o Ministério da Saúde registrou no Brasil mais de 33 mil casos da doença.

A transmissão do M. leprae se dá através de contato íntimo e contínuo com o doente não tratado. Apesar de ser uma doença da pele, é transmitida através de gotículas que saem do nariz, ou através da saliva do paciente. Não há transmissão pelo contato com a pele do paciente.

Afeta primordialmente a pele, mas pode afetar também os olhos, os nervos periféricos e, eventualmente, outros órgãos. Ao penetrar no organismo, a bactéria inicia uma luta com o sistema imunológico do paciente. O período de incubação é prolongado, e pode variar de seis meses a seis anos.

TUBERCULOSE

A tuberculose é uma doença infecto-contagiosa causada por uma bactéria que afeta principalmente os pulmões, mas também pode ocorrer em outros órgãos do corpo, como ossos, rins e meninges (membranas que envolvem o cérebro).

A transmissão da tuberculose é direta, de pessoa a pessoa, portanto, a aglomeração de pessoas é o principal fator de transmissão. A pessoa com tuberculose expele, ao falar, espirrar ou tossir, pequenas gotas de saliva que contêm o agente infeccioso e podem ser aspiradas por outro indivíduo contaminando-o. Má alimentação, falta de higiene, tabagismo, alcoolismo ou qualquer outro fator que gere baixa resistência orgânica, também favorece o estabelecimento da tuberculose.

Alguns pacientes não exibem nenhum indício da tuberculose, outros apresentam sintomas aparentemente simples que são ignorados durante alguns anos (ou meses). Contudo, na maioria dos infectados com tuberculose, os sinais e sintomas mais frequentemente descritos são:
• tosse seca contínua no início, depois com presença de secreção por mais de quatro semanas, transformandose, na maioria das vezes, em uma tosse com pus ou sangue.

• cansaço excessivo
• febre baixa geralmente à tarde
• sudorese noturna
• falta de apetite
• palidez
• emagrecimento acentuado
• rouquidão
• fraqueza
• prostração.

O tratamento da tuberculose à base de antibióticos é 100% eficaz, no entanto, não pode haver abandono. A cura da tuberculose leva seis meses, mas muitas vezes o paciente não recebe o devido esclarecimento e acaba desistindo antes do tempo.

Para prevenir a tuberculose é necessário imunizar as crianças com a vacina BCG. Crianças soropositivas ou recém-nascidas que apresentam sinais ou sintomas de Aids não devem receber a vacina. A prevenção da tuberculose inclui evitar aglomerações, especialmente em ambientes fechados, e não utilizar objetos de pessoas contaminadas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SERVIDOR
Governador anuncia promoção de 3,7 mil servidores civis e militares
ECONOMIA
Sancionada lei de incentivos fiscais para montadoras de veículos
POLÍTICA
Mourão diz que posição do governo não é por uma Constituinte
ECONOMIA
Governo pretende economizar R$ 97 milhões com licitação centralizada