Menu
Busca terça, 20 de outubro de 2020
MS

Semade e Fiems apresentam potencialidades de MS a adidos militares de 11 países

17 junho 2016 - 12h22Por Fonte: noticias
A Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico (Semade) e a Fiems fizeram uma apresentação das potencialidades econômicas de Mato Grosso do Sul aos adidos militares da África do Sul, Argentina, Bolívia, China, Colômbia, Chile, Israel, Peru, Polônia, República Tcheca e Zâmbia. A apresentação foi realizada na quarta-feira (15), na sede da Famasul.

"Apresentamos a estrutura econômica do Estado, quais são setores que estão se desenvolvendo com maior desenvoltura e outros já estabelecidos e em expansão. Mostramos a evolução do PIB e da balança comercial, em especial nos meses da atual gestão estadual, além do posicionamento de Mato Grosso do Sul em relação aos cenários nacional e internacional", informou o Superintendente de Desenvolvimento Econômico da Semade, Daniel Massen Frainer. O PIB de Mato Grosso do Sul atualmente alcança a marca de R$ 69 bilhões. Clique aqui para fazer o download da apresentação.

Pela Fiems, a apresentação foi feita pelo coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Federaçõ, Ezequiel Resende. "O número de estabelecimentos industriais do Estado deve chegar a 7.577 neste ano, enquanto as exportações de industrializados vão fechar 2016 com um total de US$ 2,84 bilhões", falou.

A apresentação integrou a programação do evento "Viagem de Observação e Orientação para Adidos Militares de Nações Amigas à Região Centro-Oeste" realizado pelo Estado-Maior do Exército para demonstrar o trabalho desenvolvido pelo Exército do Brasil e divulgar as potencialidades econômicas, turísticas e culturais do Centro-Oeste.

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO
MEC discute novas formas de avaliar ensino superior
PIX
Procon pede explicações a Mercado Pago e NuBank sobre cadastros
Clientes dizem que foram cadastrados sem autorização
GERAL
Huawei avança em energia solar no Brasil e mira em baterias
INTERNACIONAL
EUA pedem que Brasil "mantenha olhar crítico" sobre a China