Menu
Busca terça, 26 de março de 2019
(67) 9.9973-5413
PI SANESUL
ENTRETENIMENTO

Chay Suede: ‘A Jovem Guarda inaugurou a ideia de juventude no Brasil’

15 fevereiro 2019 - 20h00Por Veja

Admirar os “brotos”, se reunir com os “bichos” ou dirigir um “carango” compunham o cotidiano da juventude dos anos 1960. Mas nas tardes de domingo, não tinha para mais ninguém: os jovens paravam suas vidas e ligavam a televisão para contemplar os ídolos da Jovem Guarda – Roberto Carlos, Wanderléa e Erasmo Carlos -, o poderoso trio que, para além da música, moldou o comportamento e a moda da época. Foi uma verdadeira festa de arromba – e é isso o que mostra Minha Fama de Mau, a cinebiografia de Erasmo (ou Tremendão, como ficou conhecido) que estreou na quinta-feira 14 nos cinemas brasileiros.

Um Erasmo – ainda sem o Carlos – cheio de disposição para correr atrás de seus sonhos dá as boas-vindas ao público no início do filme. Muitas confusões pela capital fluminense são retratadas até Tremendão chegar ao estrelato no programa de TV da Record, quando o longa ganha um tom de celebração à juventude da época. “Até então, os jovens eram só mini-adultos, que estavam esperando o momento de se tornarem adultos de fato. A Jovem Guarda inaugurou a juventude no Brasil”, afirma em entrevista a VEJA.

O estouro do programa dominical trouxe uma legião de fãs fiéis para os membros da Jovem Guarda – e com elas também o assédio, ponto em comum entre os atores, todos jovens e com milhares de admiradores, e os personagens do longa de Lui Farias. “As pessoas liam mais revistas, os jovens assistiam mais à televisão, mas o assédio, a maneira como o fã se relaciona com o ídolo, ainda é muito parecida”, conta Chay, que ainda pontua que a maior diferença entre ser famoso na época e atualmente são as redes sociais. “Mas acho que o que as redes sociais fazem, esses outros veículos faziam naquele tempo.”

Entre shows, músicas no topo das paradas brasileiras e a euforia das fãs, o enredo mostra o fortalecimento da amizade entre Erasmo e Roberto Carlos, vivido por Gabriel Leone, cujo auge acontece na emocionante cena em que Roberto mostra a música Amigo para o companheiro pela primeira vez. “Fiz questão de que essa cena fosse gravada ao vivo, porque a gente já sabia que ela teria uma carga emocional intensa”, conta Leone. “Não fazia sentido a gente tentar imaginar o que seria a emoção em um estúdio para depois dublar. Ali tinha um tom de encerramento de ciclo, do próprio filme em si e da amizade tão bonita que eu e Chay construímos. Tinha uma verdade muito grande.”

A figura de Wanderléa, na pele de Malu Rodrigues, não é menos importante. A mistura entre a doçura de Ternurinha, como ficou conhecida na época, e a força de uma mulher que defendia os direitos femininos dá um gostinho especial ao longa. “Ela nunca teve vergonha de dizer o que pensava, esteve ao lado de homens muito fortes – o Erasmo e o Roberto – e sempre esteve à altura dos dois”, conta Malu.

A pincelada feminista e o protagonismo de ídolos atuais transformam o filme em uma produção feita sob medida para agradar aqueles que nem eram nascidos quando Tremendão, Roberto Carlos e Wanderléa estavam ajudando a definir toda uma geração. “O filme tem a atualidade do som do Erasmo e ainda Malu, Gabriel e Chay, a ligação com a juventude atual”, diz o diretor. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

TELEVISÃO
Globo sentencia destino do Bem Estar em novo contrato de Michelle Loreto
ECONOMIA
Produção industrial de Mato Grosso do Sul permanece estável
EM MS
Procon realiza pesquisa e detecta preços iguais na venda de GNV no cartão ou em dinheiro
MATO GROSSO DO SUL
Escolagov forma novas turmas em “SQL para iniciantes” e “Redação Oficial”