Menu
Busca segunda, 28 de setembro de 2020

Alimentos in natura de escola de MS não estavam contaminados, diz laudo

Alimentos in natura de escola de MS não estavam contaminados, diz laudo

08 outubro 2011 - 09h20
G1 MS


O Laboratório Central de Saúde Pública de Mato Grosso do Sul (Lacen/MS) divulgou nesta sexta-feira (7) o resultado dos exames feitos com alimentos in natura, que não foram processados, utilizados na merenda da Escola Municipal Iracema Maria Vicente, onde 180 alunos tiveram sintomas de intoxicação alimentar, no dia 27 de setembro.

Segundo o laudo, os exames deram negativo para a presença de microorganismos nos alimentos como a salsicha, ovo, frango, leite em pó, pão, gelatina e carne bovina moída, todos utilizados no preparo da merenda da escola.

Na última segunda-feira (3), o Lacen confirmou a presença de microorganismos nos alimentos já processados. Segundo o laboratório, os exames apontaram a presença da bactéria estafilococos, o que confirma a suspeita de que a contaminação do alimento tenha ocorrido entre a pós-preparação até o momento em que foi servido.

Outro exame realizado pelo Lacen foi o das amostras de água que abastece a escola. No dia 29 de setembro, os laudos foram concluídos e deram negativo para a presença de microorganismos.

Segundo o Lacen, se os alimentos tivessem sido contaminados após preparo e fossem armazenados em refrigeração e manuseado corretamente, a formação de toxina, resultante da alta reprodução bacteriana não teria ocorrido, já que em temperatura ambiente, a cada dez minutos se tem uma nova geração de bactérias.

De acordo com a nota do laboratório, as possíveis causas da contaminação são a distribuição dos alimentos em temperatura inadequada, conservação e manuseio pós-preparação.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TEMPO
Semana será de tempo firme e temperaturas elevadas em Mato Grosso do Sul
POLÍCIA
Comerciante morre em acidente na MS-276
BRIGA
Por conta de dívida, homem e mulher brigam no meio da rua e arremessam um contra o outro blocos de concretos e garrafas
GERAL
Pedidos de educação indígena aumentaram 500%, afirma Funai