Menu
Busca quarta, 27 de janeiro de 2021

27 agosto 2012 - 17h50
Agazetanews

O município de Amambai, com uma população estimada em 34,7 mil habitantes, localizado na região Cone Sul do Estado, tem a melhor escola de Mato Grosso do Sul e a 6ª melhor o País, segundo a avaliação do IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) do MEC (Ministério da Educação).

A Escola Estadual Dom Aquino Corrêa, que no ano passado já havia ficado na segunda colocação no ranking estadual, ficando atrás somente da Escola Militar, de Campo Grande, com 7 pontos, este ano progrediu ainda mais, alcançou 7,5 pontos e o primeiro lugar do Estado.

Com um 646 alunos e um quadro de 30 professores e 12 funcionários administrativos, desde 2005, a Escola Estadual Dom Aquino Corrêa tem ganhado destaque no cenário estadual e nacional pela qualidade do ensino e pelos excelentes resultados alcançados não só no IDEB, mas também em outras avaliações como o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio), a Provinha Brasil, promovidas pelo Governo Federal através do MEC e o SAEMS (Avaliação da Educação Básica do Mato Grosso do Sul), promovido pela SED (Secretaria de Estado da Educação), entre outros.

Dedicação e participação dos pais é a fórmula para o sucesso

No ponto de vista da coordenadora do ensino fundamental, 1º ao 5º ano, da escola, a professora Cristiane Souza Ferreira, a dedicação dos alunos, dos professores e de todo o corpo técnico da escola, bem como a participação ativa dos pais junto a instituição de ensino, são a fórmula para o sucesso da aprendizagem na escola, que também está entre as que mais aprova alunos em vestibulares.

Segundo a coordenadora, o trabalho realizado pela escola, que é a rígida cobrança em relação a presença e a participação dos nas aulas, inclusive comunicando e cobrando os pais em relação ao comportamento dos filhos, aliado ao público alvo atendido pela instituição de ensino, também somam para a qualidade da aprendizagem.

Por estar situada em uma região nobre da cidade, afastada dos bairros com famílias de menor poder aquisitivo, a escola conta com uma clientela “elitizada”, ou seja, alunos filhos de pais com maior grau de instrução, que além de acompanhar o desempenho dos filhos nos estudos, também oferecem uma base sócio-cultural diferenciada em relação a parte da clientela atendida por outras escolas do município.

Muito resultado e pouca estrutura

Apesar de ser a melhor escola de Mato Grosso do Sul e figurar entre as mais bem avaliadas do País, a Escola Estadual Dom Aquino Corrêa pode ser considerada a com a pior estrutura de trabalho entre as quatro escolas da rede estadual de ensino instaladas em Amambai.

A escola, que tem na direção a professora Vilma Oliveira da Cruz, funciona em instalações cedidas pela UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) e não conta com biblioteca, laboratórios, sala de tecnologia, quadra de esportes coberta, refeitório, despensa para armazenamento de gêneros alimentícios, sala da direção e espaço coberto para atividades diversas.

Em novembro do ano passado (2011) o MEC (Ministério da Educação) aprovou a liberação de R$ 3,3 milhões de reais para o Governo de Mato Grosso de Sul destinar para a construção de uma escola com 13 salas de aula e toda a infraestrutura para abrigar a Escola Estadual Dom Aquino Corrêa em Amambai.

Até agora, passados nove meses, a área destinada pelo município para a construção da escola permanece tomada pela baquearia e não existe nenhum sinal da obra.

Informações dão conta que o processo de licitação para a construção da escola já foi concluído, uma empresa de Amambai teria vencido, mas outra empresa que também havia participado da concorrência pública teria entrado com recurso questionado, motivo pelo qual a obra ainda não teria sido iniciada.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESPORTES
Japão enfrenta obstáculos para vacinar a tempo da Olimpíada
PARANAÍBA
Polícia Militar prende homem por portar drogas para consumo pessoal
DOURADOS
Polícia Civil cumpre mandado de prisão e prende homem
ECONOMIA
Confiança do comércio recua 0,9 ponto em janeiro
É a quarta queda consecutiva do indicador