Menu
Busca quarta, 12 de agosto de 2020

Caso de gripe A foi fato isolado, afirma Secretaria de Saúde

Caso de gripe A foi fato isolado, afirma Secretaria de Saúde

23 agosto 2011 - 10h44Por CG News
A Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso do Sul divulgou na segunda-feira, esclarecimento sobre a notificação do primeiro caso deste ano da gripe no Estado. O órgão considera o registro ocorrido em Ponta Porã como um caso isolado e diz que a situação é tranquila quando à doença,

Na semana passada, exames confirmaram que uma mulher de 64 anos, que não se vacinou contra a gripe, foi infectada pelo vírus Influenza H1N1.

O secretário-adjunto de saúde, Eugênio Martins de Barros, dissse que as medidas para interromper a transmissão do vírus da gripe A foram adotadas com sucesso, durante a campanha de vacinação, ocorrida nos meses de abril a junho.

“Em Mato Grosso do Sul, mais de 400 mil pessoas foram vacinadas, o que contribuiu para que a transmissão do vírus fosse interrompida”, afirmou o secretário-adjunto. “A paciente de Ponta Porã já está em tratamento e consideramos esta ocorrência como um caso isolado. Detectamos outros casos suspeitos, mas todos eles foram negativos, após a análise em laboratório”, completa o médico.

Para o secretário-adjuntok, os resultados da campanha de vacinação no Estado foram positivos. “Estávamos preparados para possíveis casos da gripe A desde o início do inverno, que é um período com clima propício para a proliferação do vírus da gripe e outras infecções respiratórias, porém o único caso foi registrado agora, fim de agosto, período que consideramos como final para esta proliferação do vírus”, explica Eugênio de Barros. “Dessa forma, pedimos para que as pessoas mantenham as medidas básicas de prevenção, como lavar as mãos com água e sabão com freqüência e não compartilhar talheres e objetos de uso pessoal”, reforça.

Orientação-A Secretaria informou que a rede pública de saúde está abastecida com os remédios necessários para o tratamento da gripe A. Também orienta a população e, principalmente, os chamados grupos de risco (gestantes, crianças de 6 meses a 2 anos de idade, idosos, indígenas e profissionais de saúde) a manter medidas básicas de prevenção.

É importante manter os ambientes limpos e ventilados, sobretudo locais úmidos e frios, que favorecem a multiplicação do vírus. A higienização das mãos com álcool gel é indicada na prevenção em locais públicos e com grande circulação de pessoas.

Aos primeiros sinais de febre (com temperatura maior que 38°), tosse e dor de garganta, o paciente deve procurar imediatamente um posto de saúde, para que sejam feitos os exames iniciais. Durante o atendimento, o médico fará a avaliação e coleta de material, que será encaminhado para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen).

A campanha de vacinação foi encerrada em junho. As metas foram alcançadas, exceto para o grupo de gestantes que ficou em 53% de cobertura. A vacinação foi estendida enquanto havia vacina, priorizando-se, então, outros grupos de população com risco - como os diabéticos, os renais crônicos e, inclusive, internos dos presídios do Estado.

Em caso de confirmação, o tratamento através de antivirais, como o Oseltamivir deve ser iniciado em até 48 horas do início dos sintomas. Após este período, o medicamento perde a eficácia.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
Congresso marca três reuniões para analisar todos vetos presidenciais
MATO GROSSO DO SUL
Governo divulga resultado preliminar de processo seletivo para área da saúde
GERAL
Anvisa quer reforçar medidas contra covid-19 em aeroportos e aeronaves
ANTÔNIO JOÃO
Polícia Civil prende foragido da justiça procurado pela prática de falsidade ideológica