Menu
Busca sábado, 16 de janeiro de 2021

Conselho Estadual de Saúde inspeciona o Hospital Regional e descobre o óbvio

21 julho 2012 - 10h50
Midiamax

O Conselho Estadual de Saúde, em ato raro, vistoriou, hoje, as instalações do Hospital Regional Rosa Pedrossian, em Campo Grande. Encontrou aquilo que a reportagem do Midiamax vem denunciando, como voz isolada na mídia, há pelo menos um ano: atendimentos pelos corredores, falta de médicos, enfermeiros e funcionários.

Se a vistoria é um ponto a favor do Conselho Estadual de Saúde, no entanto, não deve ter encontrado nada que não fosse de conhecimento de todos aqueles que necessitam do HR - o maior hospital essencialmente público do MS, mantido com verbas do SUS e mais algumas outras do governo estadual.

Elisa Magaly Nantes, conselheira, disse que a vistoria foi realizada após “denúncias”, mas que também foi motivada por irregularidades identificadas no relatório de gestão do HR, que é elaborado pela SES (Secretaria Estadual de Saúde), dirigida por Beatriz Dobashi. "Como a falta de leitos, que têm capacidade de atender 40 pacientes, mas só atendem 28 pacientes", exemplificou a conselheira.

Muito positivo. Mas a vistoria durou apenas duas horas e meia, das 9h às 11h30. Nem sequer o Conselho Local, aquele que está situado dentro do hospital, foi convocado para acompanhar a inspeção. A afirmação é de Rony Adolfo Jr, conselheiro local do HR. Será que os pacientes foram ouvidos? Será que as novas UTIs e o PS novo, ainda inconclusos, foram inspecionados? Há fotos? Há relatórios de despesas? É questão de esperar, e ver o que o Conselho Estadual de Saúde apurou, de fatos.

Mas se faltar alguma constatação, o Conselho Estadual poderá saber das “denúncias” concretas, por um caminho bem simples: basta acessar www.midiamax.com.br e, em busca, escrever 'Hospital Regional'.

Ali vão aparecer casos e mais casos de pessoas que perderam familiares, promessas não cumpridas, promessas desmascaradas, numa série infindável de omissões do governo estadual, que não deixa dúvida quanto a identidade do HR de hoje: um hospital esvaziado das suas funções sociais e essenciais, que deveria cuidar de quem depende do SUS, exclusivamente, e que não tem dinheiro para pagar médicos, clínicas, exames e hospitais particulares - como o Midiamax denunciou e comprovou, exaustivamente, porque é um fato escancarado no MS. O HR nem sequer tem ortopedia, ao contrário de grandes hospitais estaduais de outros estados, como o Hospital das Clínicas, em São Paulo, bancado pelo SUS e pelo governo estadual.

Conselho Local protesta por auditoria sem a sua presença

Estranhamente, o Conselho Local do HR não foi convidado para a inspeção no HR, segundo Rony Adolfo Jr. “O Conselho Local vai pedir a anulação da inspeção, por não ter sido oficialmente comunicado. Ligamos para a direção do HR, e a secretária disse que a inspeção do Conselho Estadual não iria acontecer”.

Se efetivamente o Conselho Local de Saúde, que funciona dentro do Hospital Regional, não participou da inspeção por falta de “comunicação”, o relatório da auditoria ficaria sob suspeita: “Vamos pedir a impugnação, tem coisas mais graves que não serão apontadas no relatório, sem a nossa presença”, afirmou Rony.

Seja lá o quer for, resta esclarecer aquilo que a sociedade quer saber: Quando as novas UTIs, anunciadas pelo governo Puccinelli, em novembro de 2011, vão funcionar? Quando a reforma do Pronto Socorro vai terminar? E quando as pessoas que não tem plano de saúde no MS vão parar de morrer como formigas, ou procurar atendimento fora do estado - no Paraná (Umuarama) e em São Paulo ( Barretos).

Deixe seu Comentário

Leia Também

BR 158
PMA autua empresa mato-grossense por derramamento de cerca de 22 mil litros de combustível
ECONOMIA
China contribuiu com mais da metade do superávit comercial do Brasil
RIO BRILHANTE
Polícia Civil prende suspeitos de tráfico de drogas que faziam parte organização criminosa
NOTÍCIAS
Negada indenização a comprador de veículo que não comprovou defeito em motor