Menu
Busca terça, 01 de dezembro de 2020

Credores do Independência apreensivos com desfecho da recuperação do frigorífico

04 outubro 2011 - 16h50
Dia 04/10/2.011 16h40min
Credores do Independência apreensivos com desfecho da recuperação do frigorífico

Divulgação (TP)

O encerramento da Assembléia Geral de Credores (AGC) do Frigorífico Independência, na segunda-feira (03.10), reacende a expectativa dos credores pecuaristas de Mato Grosso do Sul sobre uma perspectiva concreta de desfecho da recuperação iniciada em maio de 2009. Isso porque o encerramento da assembléia coloca o frigorífico na condição de descumpridor do Plano de Recuperação Judicial, o que dá a qualquer credor o direito de requerer a conversão do mesmo em falência.

Na avaliação do representante da Comissão de Credores de Mato Grosso do Sul, Geraldo Moraes, o empenho dos advogados do Independência em postergar o encerramento da assembléia demonstra que a empresa quer evitar a falência. “Agora terminou a blindagem. Não temos interesse na falência, mas por ser uma ameaça real esperamos que exerça pressão.”, considera.

Depois de sucessivas interrupções e remarcações, a assembléia foi encerrada com a rejeição das cinco propostas apresentadas para alienação dos ativos da companhia, sendo que duas contemplavam aquisição integral e as outras três a compra parcial do patrimônio físico da empresa.

“Agora restam duas possibilidades de desdobramentos: a conversão do processo em falência pela caracterização do descumprimento do plano ou agendamento de nova assembléia para discussão de alternativas”, pondera o assessor jurídico da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul), Carlo Daniel Coldibelli, que acompanha o processo desde o início.

Dos 289 credores sul-mato-grossenses que assumiram ter dívidas quando a indústria entrou em processo de recuperação, 94 ainda deveriam receber as parcelas estipuladas no plano. Dos cerca de R$ 42 milhões devidos aos pecuaristas do Estado, R$ 17 milhões ainda não foram pagos.

A decretação da falência prevê a liquidação da empresa e o que for arrecadado vai para a massa falida. Em primeiro lugar serão pagos os direitos trabalhistas, limitados a 150 salários mínimos por credor, em segundo os créditos com garantia real, como os hipotecados, em terceiro, os créditos tributários. Em quarto, créditos com privilégio especial e em quinto lugar os créditos com privilégio geral. Na relação de prioridade de pagamentos, os quirografários, onde entram os produtores rurais, ficam na sexta posição.

Histórico - Conforme o previsto no Plano de Recuperação Judicial, o Independência pagou de uma só vez, em março de 2010, as dívidas a credores inferiores a R$ 100 mil. O acordado era que os pecuaristas com crédito acima dessa quantia passassem a receber o valor parcelado em 24 meses. Só que em setembro do mesmo ano o pagamento foi suspenso. Em assembléia, naquele mesmo mês, o frigorífico se comprometeu a pagar as prestações de setembro e outubro em novembro, o que não aconteceu pois o parcelamento nunca foi retomado.

Em abril deste ano, o Independência obteve a anuência dos credores para vender ativos por meio de leilão judicial, visando quitar débitos e evitar a falência da indústria. E desde então, com sucessivas interrupções e protelações de assembléias, não houve definição sobre os rumos que serão dados aos ativos do frigorífico.



Deixe seu Comentário

Leia Também

PROPINA DIFERENTE
Traficante Minotauro usou canetas de US$ 900 para pagar propina a agentes paraguaios, afirma MPF
ECONOMIA
Seis milhões de pessoas pediram empréstimo na pandemia, diz IBGE
CORONAVÍRUS
Falta de leitos de UTI coloca em risco população de Dourados, diz secretário
TRÊS LAGOAS
Polícia Civil esclarece homicídio qualificado ocorrido em novembro e prende suspeito