Menu
Busca sábado, 27 de fevereiro de 2021

Criança recebeu tarde demais soro contra veneno e pai reclama do Samu

Criança recebeu tarde demais soro contra veneno e pai reclama do Samu

28 outubro 2011 - 16h20
Campograndenews

Do momento em que a família percebeu que a menina Maria Eduarda, de 3 anos, havia sido picada por um escorpião amarelo até ela começar a receber o soro antiveneno, foram mais de duas horas e meia, segundo relato feito hoje pela família, no velório da criança, que morreu ontem à tarde. Uma das dificuldades foi que a família chamou o Samu (Serviço Móvel de Atendimento de Urgência), mas não conseguiu o transporte e teve que usar veículo próprio, o que levou mais de meia hora até ela chegar à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do bairro Coronel Antonino.

Depois, foram mais duas horas até a transferência da criança para o HR, referência nesse tipo de atendimento. Esse tempo foi crucial, pois o protocolo, neste caso, indica que o ideal é receber o soro na primeira hora da picada.

A menina morreu 18h após ser atingida por um tipo venenoso de escorpião, o amarelo gigante. A demora já começou na ida dela para uma unidade de saúde.

O pai, Valmir Rissi José, 32 anos, contou hoje que, assim que avó, que cuidava da criança, percebeu o que havia ocorrido, ligou para uma tia de Maria Eduarda, que, por sua vez, acionou o Samu (Serviço Móvel de Atendimento de Urgência).

Segundo o pai, a informação dada é que as cinco ambulâncias disponíveis estavam ocupadas e não podiam prestar o socorro. Ele estava em um bairro distante, na Vila Pioneira, e, então, acionou o avô da criança, que estava no bairro Monte Castelo, onde trabalha.

Valmir ligou novamente para o Samu, segundo contou. “ A médica me disse que não tinha ambulância e que era pra usar transporte próprio”.

A família conseguiu levar Maria Eduarda para a UPA do Coronel Antonino meia hora depois. Ela já estava vomitando, segundo o relato dos parentes. O pai falou com indignação do que viu quando chegou à unidade. “Havia três viaturas do Samu paradas. Se uma delas tivesse socorrido a minha filha, nada disso teria acontecido”, disse.

Ele ainda reclamou de que se soubesse que o atendimento para pessoas envenenadas por picadas de animais tem como referência o HR (Hospital Regional), para onde a criança foi levada, teria ido direto para lá.

O coordenador do Civitox, Sandro Benites, disse que o tempo de espera pelo recebimento do soro é importantíssimo para a sobrevivência do paciente. “O quanto mais cedo melhor e o ideal é na primeira hora”.

O médico comentou que, poucos dias atrás, uma outra criança, de um ano e meio, também foi picada pelo mesmo aracnídeo, e sobreviveu. Neste caso, contou, a médica que fez o atendimento colocou a criança no próprio carro me levou para o HR.

O Samu ainda não se manifestou sobre o que aconteceu em relação a esse atendimento. O coordenador do serviço, Mauro Luiz de Brito, informou que está dando aula neste momento, e pediu para que o contato seja feito no fim da manhã.

Segundo as informações do CCZ, essa é a rotina de atendimento, procurar primeiro a unidade de saúde 24 horas mais próximas, que encaminha a pessoa ao HR, única unidade que tem o soro antiveneno.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Satélite brasileiro será lançado na madrugada deste domingo
PARANAÍBA
Polícia Militar tira de circulação mais um casal traficante de drogas
LEGISLATIVO
Deputado Neno Razuk solicita verbas para recapeamento de trecho da MS-487
REGIÃO
PMA autua infrator por construção de dreno poluindo córrego e por manter gado degradando margens