Menu
Busca quarta, 12 de agosto de 2020

Famasul: Código Florestal sistematiza o que já está em vigor

Famasul: Código Florestal sistematiza o que já está em vigor

06 outubro 2011 - 17h10
Divulgação (TP)

“Se as áreas de produção brasileiras foram consolidadas dentro da lei, o produtor não pode ser penalizado porque agiu de forma correta e legal”. A afirmação é do assessor jurídico da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul), Carlo Daniel Coldibelli Francisco, durante palestra para alunos dos cursos de Agronomia, Biologia e Medicina Veterinária da Universidade Uniderp, em Campo Grande.

Com o tema “O agronegócio e o novo código florestal”, a palestra teve também a participação da assessora técnica da Famasul, Adriana Mascarenhas, e contextualizou a realidade agrícola brasileira com a necessidade de uma legislação ambiental moderna.

“Boa parte dos discursos contrários ao texto do novo Código Florestal são vazios e sem fundamentação jurídica, uma vez que a proposta em discussão no Senado nada mais é do que uma tentativa de afastar leituras equivocadas quanto à aplicação da legislação ambiental no tempo”, afirma Coldibelli.

O assessor salienta que o texto do novo Código Florestal não traz nada de novo, mas sistematiza o que já vem sendo aplicado, principalmente no que se refere às áreas utilizadas para produção, que atualmente perfazem 27,7% do território nacional. “O texto reconhece áreas já consolidadas e áreas preservadas, as quais serão mantidas”, disse aos estudantes.

O esclarecimento de que o Novo Código não traz novidades, mas apenas sistematiza o que já em vigor se aplica também ao que equivocadamente denominou-se como ‘anistia’. Isso porque o texto propõe um mecanismo já adotado pelo Programa Mais Ambiente, instituído pelo Governo Federal. Ao aderir ao programa, o produtor autuado se responsabiliza pela recuperação ambiental. A multa só é convertida em serviço ambiental quando comprovado o cumprimento do compromisso assumido.

Adriana Mascarenhas apresentou dados enfatizando a importância do agronegócio no cenário econômico brasileiro. O País pulou de importador para um dos maiores exportadores de alimentos do mundo em apenas cinco décadas. Em 2010, o agronegócio respondeu por 21,23% do Produto Interno Bruto (PIB) do País, sendo que desse total, 70,1% vem da agricultura e 29,2%, da pecuária.

“Desde o início da década de 1990, o saldo da balança comercial do agronegócio nunca foi negativo no Brasil, diferente de outros setores”, reforçou. O resultado reflete também um alto índice de preservação ambiental, o que hoje se traduz por sustentabilidade. O Brasil tem 61% de sua área com cobertura original preservada, percentual que varia de acordo com cada bioma.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
Congresso marca três reuniões para analisar todos vetos presidenciais
MATO GROSSO DO SUL
Governo divulga resultado preliminar de processo seletivo para área da saúde
GERAL
Anvisa quer reforçar medidas contra covid-19 em aeroportos e aeronaves
ANTÔNIO JOÃO
Polícia Civil prende foragido da justiça procurado pela prática de falsidade ideológica