Menu
Busca quinta, 24 de setembro de 2020

Governo tem meta de 1,2 milhão de matrículas nas federais

Governo tem meta de 1,2 milhão de matrículas nas federais

22 agosto 2011 - 09h40Por G1
Com a criação de novas instituições de ensino no país, o governo pretende chegar a 1,2 milhão de matrículas nas universidades federais até 2014. A presidente Dilma Rousseff comentou o Plano de Expansão da Rede Federal de Educação em seu programa de rádio semanal, "Café com a presidenta", na manha de ontem (22).


O governo federal anunciou na última terça-feira (16) a criação até 2012 de quatro novas universidades federais, no Pará, na Bahia e no Ceará. Além disso, serão abertos 47 novos campi universitários e 120 unidades dos institutos federais de educação, ciência e tecnologia distribuídos por todo o país. Nos institutos, a meta do governo é chegar a 600 mil matrículas até 2014.
"Nós estamos agindo rápido para recuperar o tempo perdido. Se queremos que o nosso país ocupe um lugar de destaque no mundo, se queremos um país justo, um país rico, sem pobreza, se queremos que nossos filhos e netos se desenvolvam, temos de dar um grande salto de qualidade no nosso ensino e na formação de nossos jovens", disse a presidente.
Dilma Rousseff explicou os critérios usados pelo governo para escolher os municípios que vão receber essas escolas de nível superior. "Primeiro, demos prioridade a municípios com mais de 50 mil habitantes, em microrregiões onde não existiam escolas da rede federal e no interior do Brasil. Segundo, tivemos a preocupação de atender municípios com elevado percentual de extrema pobreza. Terceiro, focamos em um grupo de municípios que têm mais de 80 mil habitantes, mas, nos quais, a prefeitura, muitas vezes, arrecada pouco e tem muita dificuldade de investir em educação", detalhou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MEIO AMBIENTE
Recém-criada, Sala de Crise do Pantanal, vai propor ações concretas de enfrentamento à seca
EDUCAÇÃO
Estudantes com Fies podem suspender pagamentos até o fim da pandemia
NOTÍCIAS
Salão deve indenizar cliente que sofreu queimadura no couro cabeludo
ECONOMIA
Projeção de crescimento do crédito em 2020 sobe para 11,5%