Menu
Busca quinta, 21 de janeiro de 2021

Hospital de São Paulo pesquisa tratamento para três tipos de câncer

16 julho 2012 - 14h00
Agência Brasil

O Hospital A.C. Camargo, referência no tratamento contra o câncer, iniciou uma pesquisa para identificar padrões nas células tumorais de pacientes com câncer. O objetivo é desenvolver um marcador sanguíneo capaz de indicar, antes do início do tratamento, a melhor terapia para cada caso. Segundo o patologista Fernando Augusto Soares, quando se estabelece um tratamento mais precoce o resultado é melhor.

De acordo com o pesquisador, os estudos estão em fase inicial e devem levar pelo menos dois anos. Participarão dos testes, 230 pacientes com diferentes tipos de câncer: 100 com câncer colorretal, 100 com câncer de pulmão e 30 com câncer de pâncreas.

Entre os motivos que fizeram com que esses três tipos da doença fossem escolhidos, está a frequência elevada de ocorrência na população. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de pulmão é o tipo que mais acomete a população mundial e a mais importante causa de morte por câncer no mundo. O colorretal é o terceiro tipo de câncer mais comum entre os homens e o segundo mais frequente em mulheres. Já o câncer de pâncreas será pesquisado por ser de difícil detecção.

Outra razão que levou à escolha dos três tipos de cânceres, segundo Fernando, foi por se tratarem de tumores que, geralmente, encontram-se em estado mais avançado de propagação no corpo.

Ao analisar as células tumorais que circulam pelo organismo, os cientistas esperam estabelecer o significado clínico da presença de diferentes quantidades delas em um paciente. “Ainda vai levar um certo tempo para a gente ter uma perspectiva, mas, hoje, a gente já consegue isolar essas células e determinar a frequência delas”.

A pesquisa é inédita no país, mas estudos já foram feitos para identificar padrões nas células tumorais em outro tipo de câncer por pesquisadores norte-americanos e europeus nos últimos anos. O câncer de mama foi estudado e foram propostas algumas terapias para a doença. O que impede que a aplicação dos testes seja feita em larga escala, porém, é a ausência de uma metodologia. “Hoje, é possível fazer isso no laboratório, mas com poucos casos. Para abrir para a população, tem que ter maior capacidade”.

No Brasil, os estudos são financiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), que investirá R$ 700 mil até maio de 2014. Além do coordenador Fernando Soares, que é diretor de Anatomia Patológica do A.C.Camargo, participam da pesquisa Marcello Fanelli, diretor de Oncologia do Hospital e a pesquisadora Ludmilla Domingos Chinen.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
FCO inicia ano com aprovação de R$ 298 milhões para financiamentos na primeira reunião de 2021
TJMS
4ª Câmara Cível não reconhece união estável post mortem
ECONOMIA
Pesquisa da Conab indica queda na produção nacional de café em 2021
SAÚDE
MS volta a registrar mais de mil novos casos de coronavírus em 24 horas