Menu
Busca segunda, 28 de setembro de 2020

MP denuncia prefeito de Maracaju por improbidade administrativa

19 fevereiro 2012 - 11h43Por Assessoria
O Ministério Público de Mato Grosso do Sul, por meio do Promotor de Justiça em Substituição legal, Estéfano Rocha Rodrigues da Silva ingressou com Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa contra o Prefeito de Maracaju, Celso Luiz da Silva Vargas devido ao atraso no repasse das parcelas relativas aos empréstimos consignados em folha junto à Caixa Econômica Federal.

De acordo com os autos de Inquérito Civil, instaurado diante da reclamação formulada pelo representante do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Maracaju, a Prefeitura Municipal atrasou, nos meses de agosto e setembro de 2011, os repasses das parcelas relativas aos empréstimos consignados em folha de pagamento dos servidores públicos municipais à Caixa Econômica Federal, gerando, desta forma, grandes transtornos aos servidores públicos, os quais passaram, a receber carta/notificação para efetuarem o pagamento das parcelas em atraso, com juros, sob pena de inclusão de seus nomes junto ao SPC e SERASA.

Em 28 de março de 2006, a Prefeitura Municipal, representada pelo então Prefeito Maurílio Ferreira Azambuja, firmou convênio com a Caixa Econômicas Federal, centralizando toda a folha de pagamento dos servidores públicos municipais e os serviços de empréstimos consignados, bem como, outros serviços. Desta forma, os servidores recebiam seus salários junto à Caixa Econômica Federal e, na mesma instituição financeira, obtinham empréstimos, os quais eram consignados em folha, ficando a cargo do Prefeito somente, a obrigação de repassar à instituição financeira, em data avençada, os valores obtidos com o desconto em folha salarial.

Nos meses de agosto e setembro de 2011, o então Prefeito Celso Luiz da Silva Vargas atrasou o pagamento das parcelas relativas aos empréstimos consignados dos servidores públicos municipais, pois deixou de efetuar o repasse dos valores devidos à instituição financeira, mesmo tendo estes valores sido descontados na folha salarial dos servidores públicos, conforme se verifica nos holerites anexados aos autos. Diante do constrangimento, os servidores públicos municipais estão ingressando com ação de indenização por danos morais contra a Prefeitura Municipal de Maracaju.

De acordo com a ação o atraso no repasse dos valores descontados em folha de pagamento dos servidores municipais gerou aos cofres públicos um montante de R$ 15.086,75 de juros pagos a Caixa Econômica Federal.

O Promotor de Justiça em Substituição legal, Estéfano Rocha Rodrigues da Silva requer liminarmente, que seja determinado o sequestro dos bens móveis e imóveis de propriedade ou em poder do Prefeito, bem como seja decretado o bloqueio de quaisquer saldos financeiros existentes e oficiado diretamente ao Banco Central do Brasil (BACEN). Ele pede ainda que o Prefeito seja condenado por danos morais difusos e atos de improbidade administrativa.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍCIA
Comerciante morre em acidente na MS-276
BRIGA
Por conta de dívida, homem e mulher brigam no meio da rua e arremessam um contra o outro blocos de concretos e garrafas
GERAL
Pedidos de educação indígena aumentaram 500%, afirma Funai
POLÍTICA
Campanha das eleições municipais começa neste domingo