Menu
Busca sábado, 24 de outubro de 2020
Ponta Porã

Mulher que teria tentado vender casa registra queixa contra autora de postagem

09 julho 2016 - 11h00Por Divulgação
Ana Cristina Sanguina que apareceu em uma postagem no Facebook feita por uma mulher identificada como "Thatynha Gonzales", dando conta de que estaria vendendo uma casa do bairro Kamel Saad, que ainda não foi entregue para as famílias contempladas, registrou queixa na delegacia de Polícia Civil, mas antes prestou esclarecimento ao Ministério Público Estadual.

Acompanhada da sua mãe, Ermínia Sanguina, Ana Cristina contou que "Thatynha Gonzales", que fez a postagem da suposta venda da casa no Facebook é na verdade, Diana Gonzales, uma amiga e ex-vizinha no bairro Altos da Glória.

"Estava muito feliz por ter sido contemplada com a casa, já que moro de favor com a minha tia. Peguei a foto e enviei para a Diana e ela não sei por qual motivo fez o anúncio e publicou na rede social, provocando toda essa confusão. Estou indo com minha mãe na delegacia para registrar queixa contra ela", relatou Ana Cristina.

A mãe de Ana Cristina, Ermínia Sanguina, disse que o fato está causando muitos transtornos para a família. "Nós estamos muito felizes com a casa que ganhamos. Tanto que estou planejando morar com a minha filha, para ajudar ela a cuidar do meu neto de 6 anos que vive numa cadeira de rodas. Nós precisamos muito dessa casa e jamais vamos vender", disse.

Postagem no facebook sobre venda de casa será apurada e suposta infratora poderá ser presa

Uma postagem feita por uma pessoa identificada no Facebook como "Thatynha Gonzales", que não é beneficiária do programa de casas populares em Ponta Porã, será apurada com todo rigor e a responsável pela publicação terá de responder pelo ato e, se for constatada a infração, poderá ser processada e até presa.

Na quinta-feira, uma publicação denunciada por uma pessoa identificada na rede social como "Relógios da Lu", dava conta da venda de uma casa de 2 duas peças no conjunto Kamel Saad pelo valor de R$ 50 mil. Essa publicação é atribuída a "Thatynha Gonzales", que não é uma das contempladas.

Ocorre que na foto do anúncio do Facebook aparece a foto da senhora Ana Cristina Sanguina, brasileira, nascida em Ponta Porã, moradora na rua Barra Bonita, bairro Altos da Glória. Ana Cristina é chefe de família, mãe de uma pessoa especial, um cadeirante, preencheu todos os requisitos necessários para ser beneficiada e prestou todas as informações exigidas pela Caixa Econômica Federal. Sendo que nas visitas feitas pela equipe da Agência de Habitação (Habiporã), sempre foi localizada no endereço indicado.

Após toda a confusão provocada na rede social, a tal "Thatynha Gonzales", gravou áudio e postou em grupos de WhattsApp, através do qual se desculpou pelo ocorrido, o qual ela caracterizou como sendo uma brincadeira. Teria feito sem avaliar as conseqüências.

Através do Facebook, "Thatynha", primeiro disse ser irmã da beneficiária e quis apenas brincar. Depois, já não confirmou mais o parentesco, apenas ressaltou que é amiga.

Diante da situação, o prefeito de Ponta Porã, Ludimar Novais, gravou um áudio e veiculou o mesmo nos grupos de WhattsApp, através do qual assegurou a transparência do processo e alertou que as casas que ainda

serão entregues não poderão ser vendidas ou alugadas. Quem se arriscar a fazer isso poderá ser processado e até preso. E o infrator não é apenas quem vende, mas também quem compra este tipo de imóvel.

Nesta sexta-feira pela manhã, a direção da Habiporã acompanhou a beneficiária que aparece na foto, Ana Cristina Sanguina, para ser ouvida pelo Ministério Público e depois prestou queixa na Delegacia de Polícia Civil. Ela disse que não existe nenhum parentesco com quem fez o anúncio da venda. Os culpados por essa situação não ficarão impunes, assegurou a Habiporã.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
MS registra 479 novos casos de Covid-19 e faixa etária de 30 a 39 anos é a mais afetada
AQUIDAUANA
Polícia Militar Ambiental autua infrator em R$ 2,3 mil por incêndio em leiras de vegetação proveniente de limpeza
ECONOMIA
Decisão do STF evita perda na arrecadação de R$ 1,2 bilhão, diz Reinaldo Azambuja
DOURADOS
Homem invade casa, tenta estuprar jovem e é detido por populares