Menu
Busca sábado, 05 de dezembro de 2020

Paraguai declara emergência para ajudar afetados por seca

Paraguai declara emergência para ajudar afetados por seca

17 janeiro 2012 - 15h18
Reuters

O governo paraguaio decretou nesta terça-feira uma "emergência alimentar" por um período de 90 dias para ajudar os agricultores afetados por uma seca prolongada que destruiu grande parte dos cultivos de subsistência.

A falta de chuvas também afetou a produção mecanizada de soja, o principal produto de exportação do país, e segundo analistas é provável que reduza a projeção de crescimento da economia, muito dependente das vendas agrícolas ao exterior.

O decreto do Executivo declara a emergência "para atender as necessidades extremas das famílias campesinas e indígenas da agricultura familiar" por causa da seca e autoriza a vários organismos que adotem medidas administrativas e financeiras para lidar com o problema.

Na prática, a determinação implicaria na distribuição de sementes para agricultores, assim como de alimentos não perecíveis durante o tempo que durar a emergência, explicou um funcionário do governo.

"Para nós, o que interessa é que a maioria da população possa contar com áreas de subsistência", disse a jornalistas o ministro da Agricultura e Pecuária, Enzo Cardozo, ao anunciar o decreto de emergência.

Além disso, analisa-se a possibilidade de refinanciar as dívidas de pequenos produtores com entidades financeiras do Estado, como o Banco Nacional de Fomento, acrescentou.

O Ministério de Agricultura e Pecuária destacou em um comunicado que será o encarregado de coordenar as ações.

A seca comprometeu os cultivos de consumo familiar como o milho, a mandioca, o amendoim e o feijão, além de frutas e vegetais e a produção de carne. O vice-ministro da Agricultura disse há alguns dias que 40 por cento das plantações foram afetadas.

As condições climáticas que castigam toda a região sul do continente são atribuídas ao fenômeno meteorológico La Niña, que segundo especialistas pode se estender até abril.

A escassez das chuvas também atinge o comércio exterior devido à baixa do rio Paraguai, principal via de transporte dos produtos nos portos do Rio da Prata.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SEGURANÇA PÚBLICA
Apreensões de drogas batem recorde em Mato Grosso do Sul e ultrapassam 707 toneladas em 2020
POLÍCIA
Brasileiro e filha de 9 anos morreram em atentado na fronteira
Ele foi preso durante investigações do assassinato de Wescley em 2018
POLÍCIA
Bombeiros retomam buscas por menino de 8 anos que desapareceu em córrego
MEIO AMBIENTE
Governador Reinaldo Azambuja pleiteia FCO do Pantanal para recuperar prejuízos com queimadas