Menu
Busca segunda, 18 de janeiro de 2021

Saiba quais exames são obrigatórios para homens após os 30

Saiba quais exames são obrigatórios para homens após os 30

27 julho 2012 - 15h10
Terra


Ao contrário das mulheres, os homens costumam ir ao médico apenas quando sentem algum tipo de dor, por isso, ignoram muitos exames preventivos, dando margem para o aparecimento de problemas de saúde como diabetes, doenças cardiovasculares e até mesmo o câncer. De tão comum, o hábito deu origem à teoria de que homem não gosta de ir ao médico.

Em todo o mundo, a seriedade do tema já deu margem até para pesquisas e, no Brasil, chamou a atenção do governo federal que, em 2008, lançou a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem com objetivo de educar sobre procedimentos que reduzem a mortalidade masculina por causas evitáveis.

É por isso que, no País, especialistas recomendam a realização de exames de rotina a partir dos 30 anos. “Deve ser regra para o homem cuidar da saúde em cada fase da vida, sem esperar sinais de alerta surgirem”, ressalta Carolina Mantelli Borges, clínica geral da Clínica de Especialidades Integrada, em São Paulo.

Segundo a médica, o primeiro passo para manter a saúde masculina em ordem é ter em mente que o arquétipo do homem invencível não passa de uma bobagem e cuidar de si mesmo deve ser prioridade para uma vida longa e saudável. Depois, vale conhecer de perto os principais exames de rotina masculinos para cada fase da vida, afastando o preconceito e o medo do desconhecido.

Exames básicos
A partir dos 30 anos, homens devem fazer exames básicos anualmente para prevenir o aparecimento de doenças. Assim, medir os níveis de gordura no sangue é um meio de descobrir pré-disposição a algum tipo de problema no sistema cardiovascular. “Homens entre 30 e 50 anos devem fazer exames de colesterol e triglicérides já que costumam ser descuidados com a dieta”, diz a Dra. Carolina.

Além disso, não deve sair da lista de controle regular os exames de ureia e creatinina para monitorar o funcionamento dos rins e glicemia para identificar o diabetes tipo 2. Homens também devem se submeter à verificação do hormônio da tireoide e hepatites. A lista é finalizada com exames de identificação de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST).

Controle da testosterona
O hormônio masculino tende a diminuir após os 40 anos, causando prejuízos à saúde. “A queda precisa ser controlada, pois se os índices de testosterona no sangue caírem demais, os homens perdem massa muscular e até o interesse sexual”, afirma a médica.

Os principais sintomas da diminuição do hormônio masculino são a perda ou diminuição da libido, dificuldade de ereção esporádica, mudanças de humor, baixa atividade intelectual, fadiga, depressão e o aumento da gordura abdominal.

Exame de próstata
O exame de próstata ainda é um tabu, porém os homens estão mais conscientes de sua importância. “Não há mais aquela relutância e o preconceito do passado, pois já se sabe da relevância do teste”, diz Gustavo de Alarcon, urologista do Hospital e Maternidade São Luiz. Para detectar o tumor é necessário submeter-se ao toque retal, ultrassonografia transretal e exame de sangue que mede os níveis de substância relacionada a alterações na próstata.

O médico alerta que a partir dos 50 anos o exame anual é mandatório, pois o homem está no auge da sua maturidade física, profissional e familiar. “Nessa fase, em que ele precisa ter mais qualidade de vida, ocorre a maior incidência do câncer de próstata”, afirma o Dr. Gustavo. Contudo, homens que diagnosticam cedo o tumor têm mais chances de conseguir resultados positivos no tratamento contra o câncer.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Técnicos da Anvisa recomendam uso emergencial da vacina de Oxford
EDUCAÇÃO
Enem 2020: confira hoje a correção das provas ao vivo
BRASIL
Mesmo com vacina, vitória sobre coronavírus passa por 'mudança de comportamento social'
Antônio Barra Torres deu declaração ao abrir reunião da Anvisa que analisa pedidos de uso emergencial de duas vacinas contra Covid-19
SAÚDE
Ocupação de leitos em UTI Covid continua alta nas cinco macrorregiões do Estado