Menu
Busca sábado, 19 de setembro de 2020

'Silicone pode ter sido complicação', diz médico que operou jovem em MS

'Silicone pode ter sido complicação', diz médico que operou jovem em MS

04 fevereiro 2012 - 07h14
G1 MS

O jovem de 26 anos que morreu nesta quinta-feira (2), após uma cirurgia de lipoescultura em um hospital em Campo Grande, morava na Itália e veio para Mato Grosso do Sul especialmente para passar pelo procedimento médico, segundo a Polícia Civil.

O cirurgião plástico que fez a operação, Paulo de Oliveira Lima, disse ao G1 que tem mais de 30 anos de profissão e realizou mais de mil lipoaspirações semelhantes a que a vítima foi submetida. O médico suspeita que o silicone industrial que ele retirou do abdômen da vítima durante o procedimento, pode ter causado complicações no pós-operatório que levaram a morte do jovem.

Lima diz que além da lipoescultura a vítima também passou por um procedimento para a retirada de silicone de oito pontos do corpo. Cerca de 3 litros de gordura, soro e silicone industrial foram retirador do rapaz. “Ele queria ter um corpo mais atlético. O silicone pode ter causado algumas complicações e depois um enfarte nele”, diz o médico.

De acordo com o médico, a vítima apresentou todos os exames necessários para a autorização da cirurgia, durante o pré-operatório. “A cirurgia estava marcada há 5 dias, ele trouxe exames feitos em Cuiabá e estava tudo certo com a saúde dele. Ele estava apto a passar pelo procedimento”, afirma Lima.
Investigação policial

A Polícia Civil abriu um inquérito para investigar a morte do rapaz e também protocolou uma denúncia no Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso do Sul (CRM-MS), que deve abrir um procedimento investigatório sobre o caso.

O delegado responsável pelo caso, Fábio Sampaio, disse ao G1 que investiga se o hospital onde foi feita a cirurgia tinha autorização para realizar o procedimento.

De acordo com a assessoria de imprensa do CRM, a Vigilância Sanitária é responsável por emitir o laudo de autorização de cirurgias para os hospitais particulares. Apesar da unidade não ter Centro de Terapia de Intensiva (CTI), as cirurgias plásticas podem ser feitas, mas o hospital deve orientar o médico e paciente sobre os riscos.
O delegado disse que peritos da polícia civil e o delegado de plantão da 1ª DP da capital foram ao hospital particular na noite desta quinta-feira. O laudo da situação encontrada no local foi repassado para o Sampaio, que iniciou as investigações na manhã desta sexta-feira (3).

Nos objetos pessoais do jovem a polícia encontrou documentos relacionados à cirurgia. A vítima teria realizado exames do coração na segunda-feira (30) e os resultados serão analisados pela polícia. Algumas receitas de remédios e o celular do jovem também foram apreendidos e serão periciados.

Complicação

De acordo com o delegado, o laudo necroscópico que apontará as causas da morte do jovem já foi feito. O paciente teria sido internado à 11h desta quinta-feira e após a cirurgia ele teria entrado em choque e sofrido várias paradas cardíacas. Os médicos tentaram reanimá-lo, mas às 16h15, ele parou de responder aos estímulos e morreu.

As próteses de silicone industrial custam 10% o valor das próteses normais e segundo o cirurgião plástico elas representam um risco para a saúde. “É bastante arriscado, as pessoas colocam porque é mais barato. Eu espero que todos se conscientizem e parem de colocar esse tipo de silicone”, conclui.

O G1 entrou em contato com o hospital e a informação é de que não iria se pronunciar sobre o caso.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLICIA CIVIL
Veículo tomado em golpe do falso frete em Dourados é recuperado
DOURADOS
Após reclamações de calorão, prefeitura fará 'reparos' na Central do Cidadão
SAÚDE
Governo brasileiro confirma intenção de aderir à Covax
Alerta
Morador de MS recebe pacote de sementes da China por correio e governo emite alerta para riscos