Menu
Busca sábado, 23 de janeiro de 2021

Sindicância do CNJ investiga bens de cinco desembargadores de MS

Sindicância do CNJ investiga bens de cinco desembargadores de MS

18 maio 2012 - 09h17Por Terra
O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) abriu sindicância para investigar cinco desembargados do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul. Segundo a Justiça, eles são suspeitos de ter patrimônio incompatível com a renda.

São alvo do conselho Claudionor Abss Duarte, Paulo Alfeu Puccinelli, João Carlos Brandes Garcia, Joenildo de Souza Chaves e Marilza Lúcia Fortes, além de seus parentes. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Segundo a reportagem, Claudionor Duarte declarou, em 2001, patrimônio de R$ 1,7 milhão. O valor chegou a R$ 3,6 milhões em 2006 e a R$ 15 milhões em 2007. Segundo ele, sua declaração de imposto de renda de 2008 registra R$ 13,2 milhões como dívidas e ônus reais. "Não houve aumento de patrimônio, e sim redução", disse.

Paulo Alceu Pucinelli registrou bens no total de R$ 1,4 milhão, em 2008, e de R$ 692,6 mil em 2009. O CNJ suspeita que a diminuição do patrimônio se deu por meio de transferências "artificiais" de recursos para o filho. Puccinelli não se manifestou à Folha.

Já Joenildo de Souza Chaves adquiriu, em 2004, uma fazenda por R$ 360 mil, pagos em espécie. Ele afirma que já possuía um imóvel rural antes de ingressar na magistratura. Marilza Lúcia declarou bens no total de R$ 2 milhões, em 2009, R$ 350 mil em espécie. Ela diz que desconhece "incongruências" em suas declarações. Já Brandes Garcia afirmou que aguarda comunicação do CNJ.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MS
Em quatro dias, mais de 11 mil pessoas foram vacinadas contra Covid-19 em Mato Grosso do Sul
SAÚDE
Vacinas da AstraZeneca chegam ao Brasil
SAÚDE
Covid-19: Anvisa aprova segundo lote da vacina CoronaVac
CIDADES
Prorrogado por mais 15 dias o toque de recolher no MS