Menu
Busca quarta, 08 de julho de 2020

Sul-mato-grossense vence o maior festival de dança do mundo

06 agosto 2011 - 12h00Por Assessoria
O campo-grandense Julio Cesar Floriano, 23 anos, venceu no solo masculino na categoria avançada no 29º Festival de Dança de Joinville (SC), a principal competição desse tipo no Brasil e uma das mais importantes do mundo.

Floriano conheceu a dança em 2004 e em 2005 entrou para o Projeto Dançar, do Grupo Ginga, referência em Mato Grosso do Sul. No ano seguinte entrou para o grupo titular, pelo destaque apesar da pouca experiência.

Desde 2007 ele faz parte da Companhia do Mato e foi representando esse grupo que venceu o festival que aconteceu entre os dias 20 e 30 de julho, com a dança contemporânea.

Para participar do festival,considerado o maior do mundo desde 2005, o dançarino enviou um vídeo que passou por análise e foi selecionado. Apesar de ser a primeira participação no festival, Floriano venceu dois competidores do Rio Grande do Sul, um do Paraná e outro de São Paulo. Para o bailarino, ganhar foi muito importante para a carreira. “Dançar nesse palco significa você apresentar o seu trabalho a vários artistas da dança. É uma vitrine”, diz.

Quatro pessoas da companhia foram para o festival. Ao todo, eles gastaram R$ 10 mil, R$ 2.500 por pessoa. Valor muito alto para quem não tem apoio financeiro. Para o dançarino, falta investimento. “Os artistas encontram dificuldade para representar o estado em festivais, porque o valor gasto é alto e não há apoio financeiro de patrocinadores”, reforça.

Ao vencer a competição em julho, Floriano se classificou para uma extensão do festival que acontecerá em outubro, em Paulinia, São Paulo. Essa competição é o Grand Pix que garante vaga em competições internacionais. Os primeiros colocados ganham todas as despesas do próximo Festival de Joinville e, os melhores bailarinos, coreógrafos e professores têm a oportunidade de ganhar intercâmbios e bolsas em companhias de dança internacionais.

Para participar dessa competição, Floriano, gastará em média, R$ 2 mil nos sete dias de apresentação. Para se manter, o dançarino dá aulas de pilates em uma academia.

Aguentar a rotina de treinamentos não é fácil, por dia, são de quatro a cinco horas de treinamento específico. Ele ainda dá aulas de dança e de pilates.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Confira pagamentos e tributos adiados ou suspensos durante pandemia
SAÚDE
Usar máscara em academias não prejudica saúde, dizem especialistas
EDUCAÇÃO
MEC anuncia novas datas de aplicação do Enem 2020
SEGURANÇA PÚBLICA
Seguindo diretrizes nacionais, Agepen prorroga suspensão de visitas até o dia 31